Incêndio em Faro mobiliza mais de 200 bombeiros, mas concentração motard não está em causa

O autarca da Faro, Rogério Bacalhau, diz, em declarações à TSF, que durante a noite os trabalhos de combate ao fogo foram difíceis devido às mudanças de direção do vento e aos novos reacendimentos. Contudo, o local da concentração de motos conta com os "meios de segurança ativos" e, por isso, o evento continua de pé.

O incêndio que deflagrou na terça-feira à noite em Gambelas, concelho de Faro, perto da Universidade do Algarve e da concentração motard, ainda não está controlado. No entanto, a realização do evento, de acordo como presidente da câmara de Faro, não está em causa, mas Rogério Bacalhau admite que foi uma noite "muito complicada, com ventos a mudar constantemente de direção e novos reacendimentos".

"Neste momento, temos mais de 200 homens, 80 viaturas e a coisa está mais ou menos controlada, até porque já vieram dois meios aéreos, que estão a ajudar no combate, e estamos à espera de mais dois. Vamos esperar que durante a manhã consigamos controlá-lo totalmente e depois entrar em rescaldo, mas ainda temos frentes ativas fortes", afirma, em declarações à TSF.

Rogério Bacalhau assegura que, ainda assim, a concentração de motos de Faro continua de pé. "O incêndio iniciou-se ontem à noite às 23h30, nas traseiras da Universidade, a mais de dois quilómetros da concentração, entretanto foi na direção da concentração, mas ainda longe, depois voltou-se para Sul e a seguir vai para o lado de Vale de Lobo. Neste momento, deve estar a quatro quilómetros da concentração, portanto essa questão não se põe. Na concentração continuamos a ter os meios de segurança ativos e não mexe nada com isso."

A 40.ª Concentração Internacional de Motos de Faro vai realizar-se entre quinta-feira e domingo, mas o acampamento foi transferido para "um espaço que está urbanizado".

O evento realiza-se de quinta-feira até domingo em 34 hectares no Vale das Almas, a 500 metros do Aeroporto Internacional da cidade algarvia e na estrada que leva à praia de Faro. A parte que não pode ser utilizada é de 14 hectares, depois de o Governo ter decidido na segunda-feira pela "relocalização ou uma reformatação" de modo a que não se desenvolvam grandes eventos em áreas florestais.

O incêndio, nesta altura, desenvolve-se em direção ao concelho de Loulé, mas o autarca de Faro garante que, por enquanto, não há casas em perigo.

"O fogo tem estado a propagar-se numa zona de mato e alguns pinheiros, tem algumas zonas com declives acentuados, o que também dificulta um pouco a ação dos bombeiros, mas não temos essa preocupação", explica.

Às 08h30, o incêndio mobilizava 202 operacionais, com o apoio de 80 veículos e um meio aéreo. A Proteção Civil espera conseguir dominar o fogo durante esta manhã.

De acordo com dados disponíveis no site da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), às 08h30 estavam em curso 11 incêndios, que mobilizavam 1317 operacionais, com o apoio de 398 veículos e dois meios aéreos.

Às 08h30, mais de 2600 operacionais combatiam 48 incêndios - entre fogos em curso, resolução e conclusão - em Portugal continental, com o auxílio de 800 veículos e três meios aéreos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de