Incêndio que se iniciou terça-feira em Faro volta a estar ativo em Loulé

Para o combate à reativação estão 241 operacionais, com o apoio de 85 veículos e quatro aeronaves.

O incêndio que deflagrou na terça-feira nas Gambelas, em Faro, teve esta sexta-feira uma reativação, que está a ser combatida pelos meios que se encontravam no terreno em vigilância, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro, a reativação registou-se ao início da tarde e "está agora a ser combatida pelos meios que ainda se encontravam no local em vigilância", depois de o incêndio ter sido dado como dominado na manhã de quinta-feira e, posteriormente, declarado extinto.

"A reativação aconteceu na Quinta do Lago, no concelho de Loulé, mas são situações normais e o fogo está a ser combatido para tentar resolvê-lo o mais rápido possível", afirmou a fonte do CDOS de Faro.

A mesma fonte apontou o vento como fator que pode ter contribuído para a reativação, juntamente com as altas temperaturas que se fazem sentir e estão a atingir Portugal nos últimos dias.

Estão envolvidos nas operações de vigilância e combate a esta reativação 241 operacionais, com o apoio de 85 veículos e quatro aeronaves, segundo os dados disponíveis na página da Internet da Proteção Civil às 14:50.

O fogo deflagrou às 23h30 de terça-feira, perto do polo das Gambelas da Universidade do Algarve (freguesia de Montenegro) e do recinto onde decorre, até domingo, a Concentração Internacional de Motos de Faro.

Durante a madrugada de quarta-feira, as chamas passaram para o concelho de Loulé.

Agora o fogo volta a estar ativo, com os bombeiros a tentarem evitar que ganhe maiores proporções, acrescentou a fonte do CDOS de Faro.

Portugal Continental está em situação de contingência até domingo devido às previsões meteorológicas, com temperaturas muito elevadas em algumas partes do país, e ao risco de incêndio.

A situação de contingência corresponde ao segundo nível de resposta previsto na lei da Proteção Civil e é declarada quando, face à ocorrência ou iminência de acidente grave ou catástrofe, é reconhecida a necessidade de adotar medidas preventivas e ou especiais de reação não mobilizáveis no âmbito municipal.

Cinco distritos de Portugal continental mantêm-se sob aviso vermelho, o mais grave, devido ao tempo quente, com mais de uma centena de concelhos em perigo máximo de incêndio rural, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de