INEM assegura que demora na chegada ao hospital não prejudicou ferido grave

Devido a problemas no helitransporte o ferido grave no incêndio da Vila de Rei só chegou ao hospital quatro horas depois. INEM garante que a vítima teve sempre o acompanhamento médico necessário.

O INEM assegura que a vítima ferido com gravidade no incêndio de Vila Real não foi prejudicada com a demora do helicóptero em chegar ao hospital.

Esta segunda-feira a RTP noticiou que o INEM levou cerca de quatro horas a transportar para o Hospital de São José, em Lisboa, um ferido com queimaduras graves.

Em conferência de imprensa esta terça-feira, Paula Neto, do INEM, frisou que a vítima "teve acompanhamento médico desde os primeiros minutos" após o pedido de ajuda.

"Houve alguns condicionantes que tinham a ver com as características de voo, e não propriamente condicionantes a nível da segurança, que fizeram com que o helitransporte acabasse por não ser tão célere como seria a avaliação inicial da situação e acabou por não ser tão rápida a chegada do doente à unidade hospitalar."

Paula Neto destaca ainda que "a missão foi cumprida": a vítima "foi entregue estabilizada e em segurança na unidade hospitalar adequada à continuação dos cuidados".

O ferido grave foi inicialmente socorrido numa ambulância de Suporte Imediato de Vida que partiu de Vale da Urra, em Castelo Branco, e depois transportado de helicóptero para o Hospital de S. José, onde ainda se encontra.

O meio aéreo foi acionado às 22h59 de sábado, mas a falta de visibilidade devido ao fumo impediu a aterragem. Também não conseguiu aterrar no aeródromo das Moitas, em Proença-a-Nova, devido à falta de luz, e também já não teria combustível suficiente para seguir viagem para liaboa tendo sido obrigado a regressar à base.

A vítima só chegou a Lisboa pelas três da manhã de domingo, transportado por outro helicóptero, de Évora.

"Ao contrário do que se pensa, um helicóptero não aterra em qualquer lado", justifica o comandante do Agrupamento Distrital do Centro Sul da Proteção Civil, Luís Belo Costa. "E nas operações noturnas pior ainda."

"Os meios aéreos têm regras de segurança e controlo de operação muito apertados", nota.

Vítima foi socorrida em seis minutos

Em comunicado enviado às redações, o INEM diz que o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) recebeu o alerta pelas 21h55 de sábado, tendo acionado no imediato a Ambulância de Suporte Imediato de Vida de Tomar, "meio diferenciado do INEM que naquele momento se encontrava mais próximo da localização do ferido".

"A equipa da SIV iniciou a assistência médica pré-hospitalar ao doente às 22h01, ou seja, apenas seis minutos após o pedido de ajuda ao CODU."

O CODU estabeleceu contacto com o Comandante do Helicóptero de Santa Comba Dão para evacuação do doente por via aérea, pelas 22h17 e às 23h00 o Helicóptero de Santa Comba Dão levantou voo.

"Pelas 23h43, o Comandante do Helicóptero de Santa Comba Dão informou o CODU que não existiam condições de segurança para aterragem no Centro de Meios Aéreos (CMA)/Aeródromo das Moitas. Em função da informação recebida, o CODU questionou sobre a possibilidade do Helicóptero sobrevoar a zona, para tentar encontrar uma nova alternativa para aterragem. O Comandante do Helicóptero informou que a aeronave entretanto perdera autonomia para realizar a viagem até Lisboa, tendo que regressar à base, em Santa Comba Dão."

"Às 00h05 o CODU acionou o Helicóptero de Évora e, cerca de 40 minutos depois, o helicóptero aterrou no Campo de Futebol de Proença a Nova, onde já se encontrava o doente, acompanhado pelas Equipas Médicas do INEM." O doente deu entrada no Hospital de São José às 03h02.

Durante este tempo o doente esteve sempre "devidamente estabilizado e acompanhado pelas Equipas Médicas do INEM", ressalva-se.

O INEM esclarece ainda que "não tem qualquer interferência na decisão na aterragem dos helicópteros, que compete exclusivamente ao Comandante da aeronave".

Os incêndios nos distritos de Castelo Branco e Santarém já provocaram 17 feridos, um deles grave, num total de 41 pessoas assistidas.

ACOMPANHE AQUI AO MINUTO A EVOLUÇÃO DOS INCÊNDIOS

[Notícia atualizada às 12h41]