A abstenção subiu ou não subiu? Em território português, afinal, até desceu

Mudança no recenseamento ajuda a explicar aumento da abstenção para número recorde nestas eleições europeias.

A abstenção nas eleições europeias foi a mais alta de sempre do Portugal democrático, mas a explicação está sobretudo numa mudança na forma como os eleitores estão recenseados, nomeadamente no estrangeiro.

Entre quem vota em território português a abstenção até diminuiu.

A explicação está naquilo que em estatística se chama uma "quebra de série", ou seja, como define o Instituto Nacional de Estatística (INE), "uma alteração nas normas estabelecidas para definir ou observar uma variável ao longo do tempo".

Quando se fala em abstenção esta baseia-se numa conta simples: a percentagem de eleitores que foram votar em relação aos que estão inscritos para o fazer.

O problema é que o número de inscritos para votar teve em 2019 uma enorme novidade: o novo recenseamento automático (e não a pedido do próprio) que fez com que no estrangeiro o número de recenseados, em condições de votar, passasse de apenas 300 mil em 2014 para mais de 1,4 milhões em 2019, sendo aí que a abstenção, que sempre foi enorme, disparou ainda mais.

Foi pouco, mas abstenção em território nacional desceu

Numa altura em que ainda faltam contar 7 de 100 consultados, a taxa de participação lá fora passou de 2,01% para apenas 1,01% o que só por si não parece, à primeira vista, muito, mas como o número de eleitores registados quadruplicou isto significa que nas últimas europeias não tinham ido votar cerca 200 mil portugueses no estrangeiro e agora foram muito mais de um milhão, mesmo que em números absolutos até tenham existido o triplo de eleitores lá fora a votar (de 4.540 para mais de 12 000).

De facto, a percentagem total da abstenção (território nacional + estrangeiro) subiu: 66,09% em 2014 para 68,3% em 2019.

No entanto, se olharmos apenas para os números em Portugal a abstenção não aumentou, até desceu um pouco: 65,34% para 64,68%, numa altura em que todas as freguesias nacionais já estão contadas.

Se olharmos para números absolutos, em Portugal até houve mais 21.934 eleitores a votar.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de