Cristas deixa críticas para depois. É dia de "rezar pelas vítimas" dos incêndios

O dia nacional em memória das vítimas dos incêndios florestais assinala-se, pela primeira vez, esta segunda-feira.

Assunção Cristas recusou centrar-se em críticas ao Governo a propósito da gestão dos danos dos incêndios de 2017, sublinhando que esta segunda-feira é dia de "rezar pelas vítimas". A líder do CDS falava esta manhã aos jornalistas, em Castanheira de Pera, no dia nacional em memória das vítimas dos incêndios florestais.

A palavra-chave para este dia é, na visão da líder centrista, solidariedade: "Eu acho que hoje é o dia, em primeiro lugar, para dar uma palavra de solidariedade e de pesar e de lembrar as vítimas, as suas famílias, os seus amigos e dizer que esta dor é uma dor de todo o país e que nós não queremos que seja esquecida, precisamente para podermos fazer mais e fazer diferente e melhor."

Ainda assim, Assunção Cristas sublinhou "as questões das medidas de benefício fiscal para o interior" que têm sido apresentadas.

"Hoje é o dia também de estarmos aqui em conjunto a lembrar tudo o que se passou e, sobretudo, a rezar pelas vítimas", reiterou.

O dia nacional em memória das vítimas dos incêndios florestais assinala-se, pela primeira vez, esta segunda-feira e foi aprovado por unanimidade a 7 de junho, em resposta a um apelo da Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande, por iniciativa do presidente da Assembleia de República, Eduardo Ferro Rodrigues.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de