Já são conhecidos os resultados de entrada no Ensino Superior

Mais de 44 mil estudantes vão ingressar no Ensino Superior na primeira fase do concurso deste ano.

Os resultados da 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior 2019 já são conhecidos e milhares de estudantes podem confirmar se entraram numa das opções escolhidas aqui .

No Ensino Superior público foram admitidos 44.500 novos estudantes, o que, de acordo com a DGES, corresponde a um aumento de 1,2% em relação à mesma fase do concurso de 2018.

Nesta primeira fase inscreveram-se 51.036 mil candidatos, um aumento de 3,4% face à mesma fase do ano anterior, sendo que 87,2% dos alunos foram colocados nas universidades ou politécnicos.

A DGES revela ainda que 87,1% dos estudantes foram colocados numa das três primeiras opções.

Depois de concluída a primeira fase, sobram 6734 vagas para a segunda fase do concurso.

Conheça as colocações no Ensino Superior aqui . Os resultados podem ainda ser consultados através da aplicação ES Acesso, disponível nas plataformas iOS e Android.

Reitores e presidentes dos politécnicos satisfeitos

O presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), António Fontainhas Fernandes, considera que os resultados das colocações revelam que o ensino superior em Portugal está a passar por uma boa fase.

"Em termos globais, os resultados são positivos, uma vez que aumenta o número de estudantes que obtiveram colocação e, principalmente, há um maior número de estudantes [colocados] na primeira opção", afirmou Fontainhas Fernandes, em declarações à TSF.

O presidente do Conselho de Reitores aponta ainda como satisfatório o "aumento significativo de estudantes internacionais" e "o regresso de estudantes, ou seja, de jovens que tinham abandonado [o ensino superior] e que voltam a estudar".

"Isto confirma a evolução positiva no ensino superior e a aposta das famílias - uma vez que a qualificação superior é visto como estratégia para uma melhor inserção no mercado de trabalho", indica.

Na Universidade Nova de Lisboa, no ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa e nas três escolas de enfermagem de Lisboa, Porto e Coimbra, todos os lugares disponíveis foram preenchidos na primeira fase de candidaturas.

O presidente do Conselho de Reitores esclarece que esta situação não é um acaso: "Cada vez mais, as instituições estão a desenvolver políticas de especialização institucional, em que adequam a sua oferta quer ao mercado de trabalho, quer à preferência dos jovens e isso traduziu-se num aumento do número de jovens colocados."

Também os politécnicos vão receber mais alunos, o que, para Pedro Dominguinhos, presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), é "fruto de uma afirmação que tem vindo a ser feita".

"É extremamente positivo. Reflete a confiança [nos institutos politécnicos] e uma aposta no futuro", declarou à TSF.

Pedro Dominguinhos sublinha ainda o "crescimento ainda superior [do ingresso] das instituições localizadas no Interior, fruto de um conjunto de medidas preconizadas nos últimos anos, que provocam um maior equilíbrio na distribuição dos estudantes a nível nacional, revigorando essas mesmas regiões, que são fundamentais para a dinamização económica".

Notícia atualizada às 13h46

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de