Jovens de todo o mundo debatem crise climática em Lisboa

O ministro da Educação intervém na sessão de abertura, assim como o fará o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, enquanto António Guterres e o primeiro-ministro encerram os trabalhos no domingo.

Jovens e responsáveis governamentais pela área da juventude de vários países participam a partir desta sexta-feira e até domingo, em Lisboa, numa conferência que abordará o papel da juventude na concretização dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, com aprovação de uma declaração final conjunta.

A Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude 2019 e o Fórum da Juventude "Lisboa+21" regressam a Lisboa 21 anos depois de Portugal ter organizado este evento, em 1998.

Centenas de responsáveis governamentais pela área da juventude, jovens e representantes de organizações internacionais vão reunir-se numa Conferência Mundial que pretende desencadear um debate sobre temas emergentes da juventude, entre os quais o desenvolvimento sustentável e a crise climática.

O ministro da Educação, responsável pela pasta da juventude e anfitrião da conferência, explicou que o objetivo é construir com os jovens de hoje o futuro de amanhã uma vez que serão eles a passar o testemunho.

"É com os jovens que temos de construir o objetivo do desenvolvimento sustentável. São eles que comunicam à geração seguinte as premências do seu tempo", disse Tiago Brandão Rodrigues em declarações à Lusa a propósito do evento que está a ser organizado também pelo Conselho Nacional da Juventude.

Na opinião do presidente do Conselho Nacional da Juventude, Hugo Carvalho, em 1998 Portugal deu um grande passo ao organizar a I Conferência Mundial de ministros da Juventude sob a égide das Nações Unidas.

Portugal volta a ser arrojado 21 anos depois, sustenta Hugo Carvalho, pela organização de um novo encontro com o endosso das Nações Unidas, mas com a particularidade inédita de ser em parceria com as estruturas de juventude.

"Há o inédito de os ministros estarem sentados ao lado dos representantes legais dos jovens dos seus países", disse Hugo Carvalho, e adiantou que é importante acabar com a lógica de auscultar os jovens decidindo depois sem ter em conta as suas opiniões.

Em 1998, o Governo português, em cooperação com os parceiros do Sistema das Nações Unidas, organizou a Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude, que se tornou um marco no trabalho em torno das políticas de Juventude.

Na Declaração final, ministros e demais líderes mundiais presentes, comprometeram-se a trabalhar com a Juventude num conjunto de políticas e programas que fossem ao encontro das preocupações dos jovens e melhorassem as suas vidas.

Estes compromissos cobriam as áreas prioritárias do setor, tal como definido no Programa Mundial de Ação para a Juventude, adotado em 1995 pela Assembleia Geral das Nações Unidas.

Agora, os Estados são chamados a intensificar os seus compromissos para integrar a perspetiva da Juventude na implementação da Agenda 2030 e da Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude 2019 e do Fórum da Juventude "Lisboa+21" resultará uma Declaração renovada sobre Políticas e Programas de Juventude (Lisboa+21), no quadro da Agenda 2030.

Segundo o ministro da Educação, a agenda 2030 tem grande ambição dentro do sistema das Nações Unidas para que países possam entender que compromissos podem assumir para pelo menos uma geração e que os jovens têm de ser codecisores nas políticas de juventude.

O conhecimento, a influência e a iniciativa dos jovens são, na opinião de Tiago Brandão Rodrigues, essenciais para que possam ser alcançados os objetivos da agenda 2030 das Nações Unidas para o desenvolvimento sustentável.

"Nesta conferência é preciso pensar que caminho fizemos de 1998 até agora, que ferramentas temos, que políticas públicas, que formas temos de nos organizar com os jovens para cumprir a agenda 2030", disse adiantando que os jovens são garante de sustentabilidade, segurança e paz sendo por isso necessário construir com eles objetivos de desenvolvimento sustentável.

"É com os jovens que temos de construir objetivos de desenvolvimento sustentável que possam ser alcançáveis. São os 1,8 mil milhões de jovens que darão a herança às próximas gerações comunicando à geração seguinte as premências emergentes do seu tempo", frisou,

O ministro da Educação, anfitrião da Conferência, intervém na sessão de abertura, assim como o fará o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, enquanto o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, e o primeiro-ministro português, António Costa, encerram os trabalhos no domingo.

Marcam ainda presença nesta Conferência Mundial a Presidente da Assembleia-Geral das Nações Unidas, María Fernanda Espinosa Garcés, e a Enviada do Secretário-Geral das Nações Unidas para a Juventude, Jayathma Wickramanayake.

"Lisboa+21" é organizada pelo Governo Português - através do Ministério da Educação - e pelo Conselho Nacional de Juventude, com o endosso do Gabinete da Enviada do Secretário-Geral das Nações Unidas para a Juventude, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o Fundo das Nações Unidas de Apoio à População (UNFPA) e o Departamento de Assuntos Económicos e Sociais das Nações Unidas (UN DESA).

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de