"Mata Nacional de Leiria está de novo ao abandono e em risco de incêndio"

Promessas não cumpridas levam à demissão de um especialista do Observatório criado pelo Governo para evitar o regresso das chamas.

Demitiu-se um dos especialistas do Observatório do Pinhal do Rei criado pelo Governo na sequência dos enormes incêndios de outubro de 2017 que destruiu quase 90% da Mata Nacional de Leiria.

O engenheiro Ricardo Vicente bateu com a porta porque ao contrário das promessas garante que a histórica Mata Nacional de Leiria está de novo ao abandono, tal como acontecia antes do fogo, e dá um exemplo que considera evidente: o observatório devia reunir todos os meses, mas há meio ano, apesar de várias insistências, que não há qualquer reunião.

O especialista recorda à TSF que "houve cerca de 10% da Mata Nacional de Leiria que não ardeu e nem desses 10% o Estado conseguiu garantir, através do Ministério da Agricultura, uma intervenção decente. Continuam plantas invasoras como os eucaliptos com uma densidade e altura elevada o que indicia um elevado risco de incêndio".

Por outro lado, "na zona do pinhal que ardeu há uma progressão das plantas invasoras, como eucaliptos, que estão a ocupar espaço e que dentro de alguns anos estarão prontas a arder num novo ciclo de fogo".

O engenheiro espera que a demissão que agora apresentou, numa carta com argumentos violentos, sirva também de alerta para o estado de abandono da histórica Mata Nacional de Leiria, também conhecida como Pinhal do Rei.

Ricardo Vicente fala em "falta de vontade política" e considera que o Observatório "não está a responder às suas principais responsabilidades".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de