Ministro da Defesa espera solução das Finanças para Hospital Militar "ainda hoje"

Dos 4,2 milhões de euros destinados ao Hospital das Forças Armadas, ainda só terão sido transferidos menos de 400 mil euros.

O ministro da Defesa Nacional admitiu esta quinta-feira, em Bruxelas, que aguarda com "alguma urgência" que o Ministério das Finanças desbloqueie 4 milhões de euros para o Hospital das Forças Armadas (HFAR), mas disse acreditar que será encontrada uma solução "ainda hoje".

Em declarações à imprensa à margem de uma reunião de ministros da Defesa da NATO, João Gomes Cravinho, reagindo à notícia do Correio da Manhã sobre os problemas de financiamento do Hospital Militar, confirmou que espera desde janeiro que as Finanças afetem uma verba de mais de 4 milhões de euros.

O ministro declarou que "é evidente que esta situação não se pode prolongar", mas sublinhou que "não falta dinheiro, falta apenas encontrar uma solução para uma questão jurídico-financeira" que o Ministério das Finanças "tem mostrado disponibilidade" em resolver, o que espera que aconteça ainda esta quinta-feira.

"O que acontece é que estamos em negociações com as Finanças para a aprovação de um despacho meu, de janeiro, que faz uma afetação de verbas de cerca de 4 milhões, um pouco mais de 4 milhões de euros, do Exército, da Força Aérea e da Marinha para a chamada saúde assistencial de cada um dos ramos e da família militar, e tem havido algumas dificuldades na aprovação desse despacho por parte das Finanças", começou por referir, apontando que se trata de problemas relacionados com "questões muito técnicas".

Revelando que tinha uma chamada "da parte do secretário de Estado do Orçamento", com quem ainda não teve oportunidade de falar, devido às reuniões na Aliança Atlântica, o ministro da Defesa comentou que o telefonema "seguramente terá a ver seguramente com isso" e admitiu esperar boas notícias.

"Eu suponho que haverá uma identificação de uma questão técnica, porque há questões muito técnicas, questões-jurídico financeiras a resolver. Mas não falta dinheiro, falta apenas encontrar uma solução para uma questão jurídico-financeira, que está do lado do Ministério das Finanças, e o Ministério das Finanças tem mostrado disponibilidade em encontrar uma solução", disse.

Sublinhando que a falta de financiamento não teve efeitos graves -- "ninguém deixou de ser atendido no HFAR, nenhum medicamento deixou de ser distribuído", assegurou -, o ministro reiterou todavia que é uma questão "que tem agora alguma urgência", mas, insistiu, "ainda hoje será encontrada a solução necessária para essa questão".

Notícia atualizada às 12h41

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de