Ordem dos Enfermeiros chama ex-ministro e bastonário dos médicos para a sindicância

Ordem dos Enfermeiros diz que Ordem dos Médicos tem iniciativas idênticas e não é alvo de qualquer sindicância pelo Ministério da Saúde.

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, o ex-secretário de Estado, Fernando Araújo, mas também o atual bastonário da Ordem dos Médicos, na sindicância ordenada pelo Ministério.

Este é um dos trunfos apresentados esta sexta-feira na resposta formal entregue pelo advogado da Ordem depois de em julho a sindicância ter concluído que há motivos para dissolver os órgãos sociais da Ordem dos Enfermeiros.

Nesta resposta a bastonária garante justificar as despesas que a sindicância apontou terem sido feitas de forma ilegal e pede que se ouçam 10 testemunhas.

Entre as testemunhas estão o antecessor da atual ministra, Adalberto Campos Fernandes, segundo a Ordem dos Enfermeiros com o objetivo de provar que é "ridícula" a imputação de exercício de atividade sindical.

A audição do ex-secretário de Estado, Fernando Araújo, é "importante", diz a Ordem, "para demonstrar como a atual ministra tem, e sempre teve, já como presidente da ACSS, em 2017, uma determinação e um interesse particular numa sindicância à Ordem dos Enfermeiros, o que chegou a solicitar ao então secretário de Estado".

Quanto ao bastonário dos médicos, Miguel Guimarães, na resposta à sindicância a Ordem dos Enfermeiros argumenta que não pode ser acusada de estar a "imiscuir-se" na regulação das relações económicas e sociais com a exigência de revisão de contrato coletivo de trabalho pois as iniciativas "não se diferenciam, por exemplo, das praticadas pela Ordem dos Médicos e que não mereceram qualquer sindicância".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de