PSP não foi avisada sobre procissão que terminou em tragédia

A procissão decorria na via pública, mas a Polícia de Segurança Pública disse à TSF que não teve conhecimento, que não foi notificada. Condutor alega que foi encandeado pelo sol.

A procissão na freguesia das Quatro Ribeiras, na ilha Terceira, Açores, onde esta terça-feira um carro atropelou 13 pessoas não estava a ser supervisionada pela PSP.

Segundo avançou fonte da Polícia de Segurança Pública à TSF, o evento não foi comunicado pela câmara municipal da Praia da Vitoria, pelo que não estava nenhum policia a organizar o transito no local.

A mesma fonte adiantou que o condutor de 32 anos não apresentou álcool ou estupefacientes nos testes realizados. Disse à PSP que o sol o impediu de ver a estrada e que por isso perdeu o controlo do carro, uma viatura ligeira de mercadorias.

Vais ser notificado pelo Ministério Público e deve ser constituído arguido nos próximos dias.

Os quatro feridos graves do atropelamento que ocorreu às 20h29 locais (21h29 em Lisboa) de terça-feira, numa procissão de velas em homenagem a Nossa Senhora de Fátima, continuam internados, mas em "situação estável".

Segundo um comunicado enviado às redações pela Proteção Civil do Açores, o acidente provocou dois mortos, duas mulheres de 68 e 84 anos, e dez feridos, quatro dos quais graves.

Para o local do acidente, no concelho da Praia da Vitória, foram mobilizados 24 bombeiros e 11 veículos, para além da equipa de Suporte Imediato de Vida, da Polícia de Segurança Pública, e do Serviço Municipal de Proteção Civil.

Continuar a ler