Todas as empresas convidadas recusaram fazer obras no Hospital de Viseu

Dois anos depois, processo volta ao ponto zero. Obras nas urgências são consideradas urgentes há cinco anos.

Todas as empresas que há dois anos se candidataram a fazer as prometidas obras nas urgências do Hospital de Viseu recusaram avançar com a empreitada.

A TSF já tinha anunciado no início de julho que a empresa escolhida tinha esperado tanto tempo desde a adjudicação, em concurso público, até à autorização do Governo, que acabou por desistir.

Agora, em comunicado, o Conselho de Administração do Centro Hospitalar Tondela Viseu adianta que fez todas as diligências junto das empresas que perderam o concurso feito em 2017 mas que estavam habilitadas a fazer a obra pública. No entanto, todas "declinaram o convite".

Perante sucessivas recusas, a administração diz agora que terá de fazer um novo concurso público que se espera que seja lançado em agosto.

Recorde-se que o Ministério da Saúde tinha garantido que a obra adjudicada há dois anos começaria até ao fim de junho. Agora, com mais este atraso, não há qualquer prazo para que a obra arranque mesmo.

Fontes ligadas ao processo adiantaram no início de julho à TSF que o problema é que a obra foi adjudicada há dois anos, mas a autorização do Governo para fazer a despesa demorou tanto que as condições de mercado mudaram diminuindo o interesse das empresas de construção civil numa altura em que este mercado está em alta e os preços subiram.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de