Investigação a acidente aconselha Estado a mudar aluguer de meios aéreos

Investigação a um dos vários acidentes do verão pede mudanças à forma como são alugados aviões e helicópteros para combater incêndios florestais, num ambiente de "elevado risco".

O Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) aconselha a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) a reavaliar a forma como contrata meios aéreos para combater fogos. Em causa estão os vários acidentes, seis, que aconteceram no último verão envolvendo aviões e helicópteros ao serviço do Estado.

No último relatório em que avalia um desses acidentes, ocorrido a 4 de setembro na Pampilhosa da Serra, distrito de Coimbra, o GPIAAF sublinha "o elevado número de acidentes e incidentes" ao serviço da ANEPC com as seguintes causas comuns: equipamentos usados com tripulações e operações que não seguem métodos "padronizados".

No caso deste helicóptero que caiu durante uma descolagem o piloto, brasileiro, pensava estar a operar um modelo diferente daquele que realmente pilotava pois raramente voava nesta aeronave - segundo a investigação, foi essa a origem do acidente.

O foco das empresas contratadas pelo Estado para ter as aeronaves disponíveis é cumprir o contrato assinado com a ANEPC, levando os pilotos a depararem-se com um "ambiente novo e com uma equipa nova" que "podem ter contribuído para o desvio da atenção das ações essenciais de pilotagem da aeronave".

O relatório sobre o acidente também acrescenta que "é também reconhecido que em situações de pressão, em que há um excesso de exigência de recursos cognitivos, o ser humano reverte para um modo de funcionamento automático recorrendo ao conhecimento que está mais cimentado na sua memória pela experiência que, neste caso, o conduziu a executar uma ação que tem por base o modelo mental de outra configuração de aeronave".

O GPIAAF recomenda à empresa Helibravo, que alugou este helicóptero ao Estado para combater fogos, que "assegure que todos os seus pilotos estão devidamente treinados e conhecedores dos equipamentos que operam, as suas diferenças e particularidades, em especial nas aeronaves que gozam do estatuto de reforço de frota", uniformizando a sua frota de aeronaves.

A recomendação para a proteção civil nacional avisa a ANEPC que seria "benéfico" reavaliar "o modelo de disponibilização anual de meios aéreos, contribuindo para uma melhoria dos níveis de segurança operacional desta atividade de trabalho aéreo com elevado risco".

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados