"Já morreu gente a mais." Infecciologista contra desconfinamento devido a perigo das variantes

Rui Sarmento e Castro, especialista do Hospital de Santo António, considera que é cedo para pôr fim ao confinamento, dado o risco que representam as novas estirpes do coronavírus.

O diretor de serviço de infecciologia do Hospital de Santo António, no Porto, alertou, esta segunda-feira, para o "perigo" que constituem as variantes já detetadas do coronavírus, considerando que "ainda é cedo" para abrandar as medidas de confinamento.

"Francamente, gostaria que se abrissem as escolas, mas acho que é cedo (...). Já morreu gente a mais. Foram 16.000 pessoas que morreram por causa da Covid-19 [16.317 à data de domingo] e vão morrer mais. Acho que é cedo. Desejo que lá para maio se possa voltar a uma situação melhor. Abrandar tudo só porque as coisas abrandaram um bocadinho não me parece bem", referiu Rui Sarmento e Castro.

Em entrevista à agência Lusa na véspera de completar um ano em que o primeiro caso Covid-19 foi diagnosticado em Portugal, exatamente no Centro Hospitalar Universitário do Porto (CHUP), ao qual pertence o Hospital de Santo António, o infecciologista defendeu a manutenção do confinamento, considerando que "se deve extrair lições de uma vaga para a outra".

"Isso para mim é muito claro: devemos proteger os nossos pais, avós, as famílias. É mau que as coisas abrandem e, depois de aligeirarmos as medidas, venha outra vaga", referiu.

Professor de doenças infecciosas no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) da Universidade do Porto, que também foi docente na Universidade do Minho, considerou que as medidas do Natal foram "frouxas" e sobre a passagem de ano diz que se admitiu "muitas festarolas com pessoas a juntar-se às dezenas".

"O resultado deu numa segunda vaga que já vinha a crescer e que de um momento para o outro estourou completamente. Estourou no sul por questões culturais ou porque não sentiram bem a primeira [vaga] que foi mais forte cá em cima. Acho que as pessoas facilitaram muito", lamentou.

Particularmente sobre o regresso às escolas, tema que já motivou uma carta aberta divulgada na semana passada, na qual dezenas de especialistas, de diversas áreas, reivindicam a reabertura das creches e do pré-escolar este mês, seguido do regresso faseado do 1.º e 2.º ciclos, Rui Sarmento e Castro analisou o que diz ser "o real perigo".

"Francamente, são as crianças de 5 anos que transmitem o vírus às famílias? Não. Também lhes chega, mas aparentemente a infeção não é tão frequente nessas fases. Mas abrir escolas implica pais a levar os filhos, viagens em autocarro ou metro", apontou.

Salvaguardando que lhe "preocupa a economia do país" e que lhe "dói muito" quando ouve falar de despedimentos, o diretor de infecciologia do Santo António frisou o número de infetados em Portugal pelo coronavírus e alertou para a presença de variantes da doença no país.

"Temos 800 mil indivíduos infetados [804.562 de acordo com dados de domingo] em Portugal. Isto é 8% da população portuguesa mais ou menos. Isto quer dizer que se não tivermos cuidado daqui a dois ou três meses são 16%. E em Portugal já circulam variantes que são um enorme perigo. Acho que as pessoas não estão cientes disso. O público em geral preocupa-se pouco com isso, preocupa-se com o vírus em geral e não pergunta de onde vem. Mas, para nós [profissionais de saúde], este alerta é importante", referiu.

Rui Sarmento e Castro analisou o que já se sabe sobre as variantes da Covid-19 e, em jeito de alerta, sublinhou que "ainda não se sabe muito, nem mesmo o comportamento de algumas perante as vacinas" e que "poderão existir muitas mais no mundo".

"Em Portugal temos uma percentagem elevada da variante inglesa. Não tínhamos na primeira vaga. Isso também justificou um pouco a explosão nas últimas semanas. Temos casos identificados da variante brasileira. Não terá ainda expandido, mas se expandir -- e parece que a transmissibilidade é alta -- vamos ter problemas. A da África do Sul não chegou cá ainda, mas parece ser altamente transmissível. E há muitíssimas mais variantes", afirmou.

O antigo diretor clínico do Hospital de Joaquim Urbano, unidade especializada em doenças pulmonares e infecciosas do Porto que foi integrada no CHUP, também defendeu a realização de mais testagem, nomeadamente em lares e hospitais, mas também a grupos específicos da população como pessoal do INEM, forças de segurança, bombeiros, ou trabalhadores de transportes públicos.

"É feita pouca testagem. Já deviam fazer mais testes desde o princípio. Defendo a testagem, mas com testes fidedignos, com a metodologia PCR, zaragatoa. É praticamente infalível. O teste de antigénio só é positivo mais tarde. Pode ajudar no diagnóstico, mas mais tarde do que a zaragatoa", referiu.

Para Rui Sarmento e Castro, se existe um Plano Nacional de Vacinação por que não criar um criar um Plano Nacional de Testagem.

"Este vírus veio ficar cá. Devemos estar cientes de que vai manter-se e é preciso preparar o futuro", frisou.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.526.075 mortos no mundo, resultantes de mais de 113,7 milhões de casos de infeção.

Desde março de 2020, o CHUP internou cerca de 2.500 doentes Covid-19, e seguiu 8.000 por telefone. Os dias mais críticos foram 23 de janeiro e 01 de fevereiro deste ano, com 30 novos doentes por dia.

Na sexta-feira estavam internados 84 doentes com o coronavírus, 19 dos quais em cuidados intensivos e disponíveis 139 camas, 95 em enfermaria e 44 para doentes críticos.

A doença é transmitida por um coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de