"Justiça não é só prender pessoas." Advogado de Berardo elogia Ministério Público

Paulo Saragoça da Matta considera que as medidas de coação pedidas pelos magistrados foram "lógicas".

Conhecidas as medidas de coação aplicadas a Joe Berardo, que incluem uma caução de cinco milhões de euros e a proibição de sair do país, o advogado de Joe Berardo, Paulo Saragoça da Matta, elogiou esta sexta-feira a conduta do Ministério Público, realçando que fazer justiça "não é só prender pessoas".

À saída do Tribunal Central de Instrução Criminal, o advogado elogiou a postura "extremamente correta, leal e legal"dos magistrados do Ministério Público e classificou as medidas de coação propostas como "lógicas".

"Foi um belíssimo momento de demonstração de que se pode fazer Justiça e que Justiça não é só prender pessoas", comentou Paulo Saragoça da Matta, que assegurou também que vão ser feitas "todas as diligências" para assegurar o pagamento da caução decretada pelo juiz Carlos Alexandre.

Questionado sobre a forma como vai ser feito esse pagamento - que tem um prazo de 20 dias -, Saragoça da Matta assinalou que há "muitas maneiras" de proceder a esse pagamento.

"Até pode ser a Santa Casa da Misericórdia, ou qualquer um de vós, que queira fazer o pagamento da caução", acabou por gracejar perante os jornalistas, insistindo que vão ser feitos esforços para o cumprir e reconhecendo que pode haver recurso a bens para essa liquidação.

Paulo Saragoça da Matta realçou também a "situação muito delicada" em que Joe Berardo se encontra depois de quatro dias detido, reiterando que o empresário deve sair em liberdade ainda esta sexta-feira.

O juiz Carlos Alexandre aplicou uma caução de cinco milhões de euros como medida de coação ao empresário Joe Berardo e de um milhão ao seu advogado André Luiz Gomes, ambos arguidos no processo Caixa Geral de Depósitos (CGD). Os dois arguidos ficaram ainda proibidos de manter contactos entre si e com vários familiares.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de