Leiloeira portuguesa cede a ambientalistas e cancela venda de chifres de rinoceronte

Várias organizações de proteção dos animais, entre as quais a Wild Aid, apadrinhada pelo príncipe William, Leonardo Di Caprio e David Beckham, protestaram contra a realização do leilão.

Uma leiloeira portuguesa retirou cinco chifres de rinoceronte de venda após pressão de várias organizações de proteção dos animais, entre as quais a Wild Aid, apadrinhada pelo príncipe William, Leonardo Di Caprio e David Beckham.

A leiloeira Côrte Real tinha no catálogo do 3.º Leilão de 2021, a decorrer entre hoje e sexta-feira, cinco lotes de chifres de rinoceronte, com valores estimados entre os 4.100 e os 8.600 euros cada.

Questionada pela Lusa sobre porque decidiu retirar da venda os objetos, a leiloeira, sediada no Porto, não quis justificar a decisão, nem porque manteve no catálogo três presas de elefante, que os ativistas ambientalistas também querem que sejam removidos.

Alex Hofford, militante da Wild Aid no Reino Unido, disse à Lusa que "a venda deste tipo de peças estimula a procura e a caça ilegal de animais em extinção", alimentando sobretudo o mercado asiático.

O comércio de marfim ou chifres de rinoceronte não é ilegal em Portugal se as peças tiverem mais de 40 anos, e a leiloeira Côrte Real atribuía a origem dos chifres de rinoceronte aos anos 1940-50.

Devido às restrições previstas na Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies de Fauna e Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção (CITES), o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) tem de verificar e certificar as proveniência das peças.

Porém, o ambientalista britânico explicou à Lusa que, muitas vezes, a idade dos objetos não é possível ser confirmada porque os proprietários não autorizam os testes pois estes são invasivos, danificando ligeiramente o objeto.

Desde 2018 que as principais casas de leilões internacionais, Christie's, Sotheby's e Bonham's, se comprometeram a não vender mais chifres de rinoceronte e a venda de marfim também foi proibida no Reino Unido.

Desde esta manhã que a Wild Aid, que tem entre os seus embaixadores o príncipe William, o ator Leonardo di Caprio e o futebolista David Beckham, começou uma campanha nas redes sociais para denunciar o leilão em Portugal, incentivando os apoiantes a escrever à leiloeira.

A organização ambientalista portuguesa ANP/WWF associou-se ao protesto.

A coordenadora de comunicação, Rita Rodrigues, disse à Lusa que é positivo que os chifres de rinoceronte tenham sido retirados do leilão, mas que a organização vai continuar a fazer pressão para que as três peças de marfim também sejam removidas do catálogo.

"É importante que de futuro peças destas nem cheguem a leilão, na medida em que estimulam o tráfico de espécies de vida selvagem, particularmente para países com pouca regulação na matéria, como é o caso do nosso", vincou.

Em 2019, uma leiloeira também no Porto foi alvo de uma operação policial da GNR, que resultou na apreensão de 26 peças de marfim.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de