Mais 53 mortes e 50.447 novos casos de Covid em Portugal

Nas últimas 24 horas, há menos duas pessoas internadas em enfermarias e mais seis em cuidados intensivos.

Estão confirmadas 20.077 mortes devido à Covid-19 em Portugal, mais 53 do que no último boletim epidemiológico emitido pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O número de pessoas infetadas pela doença até agora é de 2.795.830, mais 50.447 nas últimas 24 horas.

CONSULTE AQUI O ÚLTIMO BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO

Segundo o boletim epidemiológico diário, esta quinta-feira estão internadas 2440 pessoas, menos duas do que na quarta-feira, 155 das quais em unidades de cuidados intensivos, mais seis.

O número de casos ativos voltou a aumentar, havendo agora 642.113, mais 29.100 do que na quarta-feira, e nas últimas 24 horas foram dadas como recuperadas 21.294 pessoas, passando a contabilizar um total de 2.133.640.

Nas últimas 24 horas foram colocados em vigilância mais 7365 contactos, que totalizam agora 653.062. Desde março de 2020 foram infetadas em Portugal 2.795.830 pessoas com o SARS-CoV-2 e foram declaradas 20.077 mortes associadas à Covid-19.

Das mortes com Covid-19 nas últimas 24 horas, 18 ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, 18 no Norte, oito na região Centro, três no Algarve, três na Região Autónoma da Madeira, duas nos Açores e uma no Alentejo.

A maior parte dos novos contágios foi diagnosticada na região Norte, com 20.279 infeções, totalizando agora 1.081.148 casos desde o início da pandemia e 6105 mortes associadas à Covid-19.

O SARS-CoV-2 já infetou pelo menos 1.308.013 homens e 1.485.265 mulheres em Portugal, havendo ainda 2552 casos de sexo desconhecido que estão sob investigação, uma vez que estes dados não são fornecidos de forma automática.

Desde o início da pandemia, e associado à Covid-19, morreram 10.568 homens e 9509 mulheres. A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A variante Ómicron, que se dissemina e sofre mutações rapidamente, tornou-se dominante do mundo desde que foi detetada pela primeira vez, em novembro, na África do Sul.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de