Mais de 70% das crianças até aos seis anos nunca vão ao dentista

O bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas admite que este é o dado do barómetro que traz "mais preocupação" aos profissionais.

Mais de 70% das crianças até aos seis anos nunca visitam o dentista, uma situação que se agravou deste 2019, segundo o Barómetro da Saúde Oral divulgado esta quarta-feira pela Ordem dos Médicos Dentistas (OMD).

O Barómetro de Saúde Oral 2021, realizado pela consultora QSP para a OMD, mostra que 73,4% dos menores de seis anos nunca vão a uma consulta de medicina dentária, uma percentagem que subiu face à edição anterior do barómetro, em 2019.

Analisando estes dados, o bastonário da OMD, Miguel Pavão, disse à agência Lusa que este é o dado do barómetro que traz "maior preocupação" aos profissionais.

"Isto significa que há um trabalho a montante a ser feito", defendeu, explicando que a OMD tem apelado para que o cheque dentista contemple crianças "desde tenra idade", numa "visão muito mais preventiva e de promoção da saúde oral".

Segundo Miguel Pavão, o acompanhamento durante a infância acaba por ter "mudanças comportamentais para uma melhor saúde oral da população".

"Acima de tudo para que a valorização da saúde oral também aconteça pelos indivíduos" para que não se recorra ao dentista apenas quando se está doente, porque "depois já é um caminho difícil de reverter, tratar e curar".

Os dados compilados pelo barómetro indicam que as crianças com idades entre os 10 e os 12 anos são os que mais utilizam o cheque dentista, enquanto os menores com 16 ou mais anos são os que menos utilizam, seguidos das crianças até aos 6 anos.

Quanto à higiene oral, 76,2% dos inquiridos afirmam escovar os dentes com frequência, pelo menos duas vezes ao dia, percentagem semelhante à registada na edição anterior do barómetro.

Segundo o estudo, a que a Lusa teve acesso, aumentou a percentagem de portugueses que lava os dentes três ou mais vezes por dia, o mesmo se verificando relativamente à limpeza da prótese/dentadura.

O uso de fio dentário e de elixir, embora tenha aumentado ligeiramente, ainda está aquém do recomendável, indicam os dados do barómetro.

Em relação ao barómetro de 2019, existem mais portugueses (mais sete pontos percentuais) a ir ao dentista para rotina de limpeza, check-up ou consultas de ortodontia.

Mas a dor de dentes tem causado menos visitas ao dentista, voltando a diminuir a exemplo das últimas edições (de 23,7% em 2014, para 6,3% em 2021).

O tratamento de dentes específicos, devido a cárie dentária, ou o restauro de dentes partidos, voltou a aumentar (3,2 pontos percentuais).

Mais de metade dos inquiridos (53,1%) não sabe que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) disponibiliza serviços de medicina dentária.

Nos últimos anos, o número de utentes que recorre ao SNS tem vindo a diminuir, sendo que nos últimos 12 meses, 3,1% recorreram aos centros de saúde para tratar de algum problema oral e 2,8% ao hospital.

O acesso a serviços de medicina dentária no SNS e a comparticipação das consultas no setor privado é considerado como muito importante pela população portuguesa, com 92,9% e 90,4% respetivamente a afirmarem essa opinião.

O barómetro indica ainda que 60,5% dos portugueses consideram a Medicina Dentária como sendo "uma área médica mais cara que as demais", uma situação que se acentuou face a 2019 (53,8%).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de