Ministério da Saúde garante que reforço de meios para vacinação chega esta semana

António Lacerda Sales diz que, caso seja necessário, serão contratados mais enfermeiros e médicos.

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, garantiu que ainda esta semana será concretizado o reforço de meios humanos e logísticos para a terceira dose da vacina contra a Covid-19, assim como a vacinação contra a gripe sazonal.

Em declarações aos jornalistas esta segunda-feira, Lacerda Sales disse que tudo será feito para acelerar o processo e, se necessário, serão contratados mais profissionais de saúde, entre enfermeiros e médicos, como aconteceu nas fases anteriores de vacinação.

"Ainda esta semana garantidamente, com certeza, que vamos ter esse reforço, quer de recursos humanos, quer de logística", afirmou, sem precisar esse aumento, explicando que é uma reprogramação que está a ser feita por todo o núcleo de coordenação da vacinação em curso, coordenado pelo coronel Carlos Penha Gonçalves.

O secretário de Estado Adjunto da Saúde reforçou ainda o apelo para que os portugueses adiram à vacinação. "A mensagem que de facto queremos deixar é para que, tendo nós plano, tendo nós vacinas, tendo nós logística, as pessoas possam aderir. Isso é que queremos de facto, que as pessoas adiram ao processo de vacinação", salientou.

Lacerda Sales já tinha confirmado, no sábado, que a vacinação com a dose de reforço contra a Covid-19 ia ter mais meios.

Em declarações aos jornalistas à margem de uma visita ao centro de vacinação em Mafra, o secretário de Estado Adjunto e da Saúde reconheceu que "o número de elegíveis mais do que duplicou", em virtude das novas orientações dadas pela Direção-Geral da Saúde (DGS), e sinalizou que há agora "mais 1,8 milhões de pessoas para vacinar" além das que já estavam inicialmente previstas até 19 de dezembro.

"Vamos ter reforços, como é obvio", começou por dizer o governante, sublinhando: "Temos de reprogramar e voltar a planear, quer do ponto de vista da logística, quer do ponto de vista dos recursos e do planeamento, porque é mais do dobro dos elegíveis. E é isso que vamos fazer com o Núcleo de Coordenação [do processo de vacinação] e com as autarquias".

Além das 900 mil pessoas com mais de 65 anos que podem receber a terceira dose, em breve vão ser chamados os recuperados e homens maiores de 18 anos vacinados com uma dose da vacina da Janseen. A medida implica um acréscimo de mais 1,8 milhões de pessoas elegíveis, o que exige a reprogramação, quer de meios, logística e planeamento. O secretário de Estado Adjunto e da Saúde sublinhou que é isso que está a ser feito, admitindo que possam ser reabertos centros de vacinação.

Segundo Lacerda Sales, este trabalho está a ser realizado em conjunto com o Ministério da Defesa e também com as autarquias.

Sobre quando irá ter início o processo de vacinação das pessoas a partir dos 18 anos elegíveis que receberam a vacina contra a Covid-19 da Janssen, o governante afirmou que ainda não há uma data concreta, lembrando que têm sido priorizadas as faixas mais vulneráveis, os mais idosos, o que vai permanecer.

"Qualquer das formas estou convencido que, com o evoluir do processo e com a aceleração que o processo tem tido agora, e que é reconhecido, penso que brevemente com certeza todas estas faixas começarão a ser chamadas", referiu, recordando que esta semana começam a ser chamados os bombeiros e os profissionais do setor social.

"Portanto, vamos vacinando com tranquilidade, com serenidade, mas o processo vai evoluindo bem", sublinhou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde.

Foi ainda encurtado o prazo de intervalo entre a segunda e a terceira dose de reforço de 180 para 150 dias para a população com 65 ou mais anos, os profissionais de saúde e do setor social e os bombeiros que transportam doentes.

Apesar do aumento da população para vacinar, Lacerda Sales afirmou que o objetivo inicial de vacinar cerca de 1,6 milhões de pessoas idosas até ao Natal não será posto em causa.

Segundo os dados mais recentes da Direção-Geral da Saúde (DGS), mais de 1,5 milhões de pessoas já foram vacinadas contra a gripe, tendo sido também administradas mais de 750.000 doses de reforço e adicionais da Covid-19.

"Portugal já administrou cerca de 1.561.000 doses de vacina contra a gripe (incluindo cerca de 400 mil em farmácias) e mais de 750 mil doses de reforço e adicionais da vacina contra a Covid-19. Estes resultados foram possíveis com a aceleração da vacinação diária dos centros de vacinação, incluindo ao fim de semana, através da modalidade 'Casa Aberta'", indicou a DGS num comunicado.

* com Lusa

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de