Morreu a escritora Mécia de Sena, viúva de Jorge de Sena

Tinha 100 anos.

A escritora portuguesa Mécia de Sena, viúva do escritor Jorge de Sena e organizadora da sua obra, morreu este sábado, em Los Angeles, nos Estados Unidos da América, aos 100 anos, disse fonte da família.

"Mécia de Sena, a viúva de Jorge de Sena, faleceu esta manhã, 28 de março, em Los Angeles, Califórnia. A família pede a amigos e conhecidos que respeitem a sua privacidade, neste triste momento", lê-se na mensagem de um dos seus filhos.

Nascida em Leça da Palmeira, em 16 de março de 1920, Mécia de Freitas Lopes Sena era filha do músico e compositor Armando Leça, investigador do "Cancioneiro Musical Popular Português", e irmã do professor, crítico e historiador Óscar Lopes (1917-2013). Formada em Ciências Histórico-Filosóficas, pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, detentora do curso do Conservatório de Música do Porto, foi professora, primeiro, e, depois do casamento, em 1949, "colaboradora literária" de Jorge de Sena, e "à altura dele".

A opinião é do próprio escritor, para quem, "sem o [seu] apoio, não teria sido possível realizar talvez metade do que realizou, quer como autor, quer como professor", recordou Rui Silvino de Freitas Lopes, na sua crónica familiar, citada pela investigadora Maria Otília Pereira Lage, na obra "Mécia de Sena e a escrita epistolar com Jorge de Sena: Para a história da cultura portuguesa contemporânea".

As cartas e a escrita de natureza diarística marcam a produção literária de Mécia de Sena, nomeadamente a obra inédita "Flashes", que Otília Pereira Lage evoca como exemplo de literatura intimista e de expressão "micro-textual", predominantemente sob "a forma de um diálogo continuado [com Jorge de Sena], que a morte deixara em suspenso".

A investigadora destaca igualmente "a modernidade" da produção literária de Mécia de Sena, estabelecendo "uma relação possível com a prática de escrita de diários de outros autores", como Miguel Torga.

"Uma mulher ímpar, corajosamente à altura dos imensos desafios de uma vida intensa, que atravessa as mudanças sociais, políticas e culturais de grande parte do século XX, quer em Portugal, quer no seu longo exílio no Brasil [1959-1965] e nos Estados Unidos da América", onde se fixou com o marido, após o golpe militar de 1964, que deu origem a 20 anos de ditadura brasileira.

Mécia de Sena casou-se com Jorge de Sena quando este era um engenheiro civil da Junta Autónoma de Estradas (1948-1959). Partiu com ele para o exílio, quando a ditadura do Estado Novo os cercou. Fixaram-se no Brasil, onde o escritor ensinou Literatura, e de onde partiu para a Universidade do Wisconsin, em Madison, nos Estados Unidos, antes de se fixar em Santa Barbara, Califórnia, onde foi catedrático de Literatura Comparada.

A morte precoce de Jorge de Sena, em 1978, aos 59 anos, abriu "um terceiro período na vida de Mécia de Sena", deixando-lhe em mãos "uma quantidade monumental de projetos não realizados [do escritor], toneladas (...) de manuscritos, propósitos de livros de prosa e versos, correspondência", segundo Rui Silvino de Freitas Lopes.

A partir de então, Mécia de Sena assumiu a organização, documentação e edição do espólio literário do autor de "Sinais de Fogo", assim como a promoção e revelação da sua obra, da sua real dimensão, com a preocupação de concretizar "todos os sonhos que eram os do marido", segundo o irmão da escritora.

Todos os títulos surgidos desde então, tiveram Mécia de Sena na origem. "A obra dele é imensa", disse a escritora numa carta dirigida em 1991 ao jornal Público, na qual confessava fazer "esforços inauditos para que [seu] marido [fosse] honestamente publicado".

"Isto tudo que nos Rodeia", volume editado pela Imprensa Nacional, em 1982, revelou as cartas de amor de ambos. E inaugurou também um segmento determinante na obra de Jorge de Sena, a escrita epistolar, que atravessou grande parte do século e se cruzou com figuras do meio literário português como Sophia de Mello Breyner Andresen, João Gaspar Simões, José Régio, Vergílio Ferreira, Eduardo Lourenço, José-Augusto França, Delfim Santos e António Ramos Rosa.

"Jorge de Sena: bio-bibliografia", em codição com Isabel de Sena, "Correspondência Jorge de Sena e Mécia de Sena 'Vita Nuova'" são outros volumes em que o diálogo de ambos se cruza. Mas foi no primeiro, nesse que dimensionava "isto tudo que nos rodeia", que Mécia de Sena viria a revelar o seu primeiro encontro com o escritor.

"Entre os vários rapazes com quem dancei, houve um que fora totalmente desconhecido. À despedida, perguntara-me o meu nome. Meses depois, cruzámo-nos numa conferência (...). Passados outros meses, encontrámo-nos num recital (...). Disse-me que também escrevia poemas (...). O nosso conhecimento mútuo a bem dizer nem se iniciara e iria fazer-se através de correspondência que se lhe seguiu".

A rejeição do "caminho mais fácil" entre ambos, "deu lugar a uma confiança e uma identificação que dificilmente poderão ter paralelo", escreveu então Mécia de Sena. "Não sem agruras e com algumas duras provas, ambas resistiram durante quase 30 anos, afinal o nosso 'para sempre' dignamente cumprido".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de