Mudar a luta contra o fogo com Pedrógão Grande sempre presente

Quatro anos depois do incêndio de Pedrógão Grande, a secretária de Estado da Administração Interna diz à TSF que a mudança, no combate aos fogos rurais, vai ser demorada.

Quatro anos depois do grande incêndio de Pedrógão Grande, que marcou o início do pior ano de sempre em termos de incêndios florestais e especialmente das consequências por eles provocados, a secretária de Estado da Administração Interna diz que não há decisão que tome, em matéria de prevenção e combate a incêndios, que não tenha presente a tragédia de junho de 2017.

Patrícia Gaspar foi, naqueles dias, a cara e a voz da proteção civil, nos momentos mais tensos, e diz que hoje não é possível ignorar esses momentos.

A secretária de Estado da Administração Interna, ouvida na Tarde TSF, lembrou que não é suposto estar tudo feito na mudança que começou há quatro anos, e que implica novas formas de posicionar os meios e de prever o risco.

Uma das principais mudanças que já se nota é a forma como gasto o dinheiro de combate aos fogos rurais, com cada vez mais verbas encaminhadas para prevenir.

Apesar disso, Patrícia Gaspar lembra que não existe "risco zero", e que será sempre necessário apostar em meios capazes de combater os fogos rurais.

Patrícia Gaspar defende que a capacidade de Portugal enfrentar riscos de proteção civil será tanto melhor, quanto maior for o profissionalismo dos operacionais, incluindo os bombeiros.

Mas reconhece que também aqui, esse é um processo gradual.

Na Tarde TSF, Patrícia Gaspar reconheceu ter vantagens no trabalho que faz, depois de ter passado de operacional e decisora política, e elogiou o caminho feito pela sociedade portuguesa, que tem cada vez mais consciência cívica também em matéria de prevenção de incêndios, diminuindo os comportamentos de risco.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de