Muito dinheiro e pouco tempo. Costa lembra que Portugal tem de gastar verbas do PRR até 2026

António Costa falava esta manhã em Lisboa durante a assinatura do acordo com o setor social e solidário.​​​​

O Governo entrega perto de 500 milhões de euros ao setor social para investir em respostas que vão desde a habitação à saúde. São verbas do Plano de Recuperação e Resiliência, concretamente 465 milhões de euros, que, admite António Costa, representam muito dinheiro para gastar num limitado período de tempo. E esse é um dos desafios.

"Nós temos muito pouco tempo para executar este programa. Nós temos até 2023 para assumir os compromissos e até 2026 para poder gastar o último cêntimo disponível. É muito pouco tempo, porque soma ao esforço que temos de fazer para tudo o resto. Mas esse esforço tem uma motivação muito grande por trás que é a enorme necessidade que temos", diz Costa durante a assinatura do acordo com o setor social e solidário que terá 465 milhões de euros para desenvolver respostas sociais até 2026.

O primeiro-ministro destaca um setor onde o destino do dinheiro está já traçado na área da saúde: os cuidados continuados.

"Uma das grandes apostas que temos é completarmos a nossa rede de cuidados continuados integrados, com mais cinco mil e quinhentas camas", acrescenta.

Além de apoiar quem precisa na habitação, na saúde ou no envelhecimento, estes investimentos também irão criar emprego onde ele faz mais falta.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de