"Muito grave." Famílias despejadas em Loures podem perder crianças

Mães foram ouvidas pelos serviços da autarquia de Loures e pela Segurança Social, mas apenas conseguiram pensões para passarem as próximas três noites.

Continua a saga das cinco famílias que foram despejadas, na segunda-feira, no bairro do Catujal, em Loures. Sandra Fernandes, da associação Habita, revelou à TSF que há agora ameaças de tirarem as crianças às mães por falta de habitação e meios de subsistência.

Ao longo desta terça-feira, as mães foram ouvidas pelos serviços da autarquia de Loures e pela Segurança Social, mas apenas conseguiram pensões para passarem as próximas três noites.

"Têm alojamento para três noites e as famílias terão de procurar uma solução por elas mesmas. Estas famílias estão regulares, com algumas pessoas com nacionalidade brasileira. Como está tudo parado a nível de papéis do SEF estão também à espera das reuniões para continuarem com o seu processo de residência, o que dificulta que encontrem uma casa no mercado de arrendamento tradicional", explicou à TSF Sandra Fernandes.

Tanto a Segurança Social como a Câmara Municipal de Loures alegam não ter habitações disponíveis e o risco agora é que as famílias monoparentais venham a perder a guarda dos filhos.

"Também há aqui algumas ameaças de retirar as crianças ou de elas ficarem à guarda do Estado se não for encontrada uma solução habitacional. São três famílias monoparentais femininas e, então, estão a responsabilizar as mães por esta situação. Parece-nos muito grave que pessoas que estão numa situação de carência económica sejam ameaçadas com a retirada das crianças e não apoiadas como deveriam ser", acrescentou a responsável da associação Habita.

Entretanto, a associação escreveu ao Governo, a quem pede uma solução urgente para estas 11 pessoas - entre elas seis crianças.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de