Operação Nariz Vermelho cria desafio nas redes sociais para angariar fundos

A pandemia tornou inevitável a adaptação das recolhas de donativos em espaços públicos para soluções mais seguras. O #QuantoÉQueDás? é um desafio que deverá circular nas redes sociais até ao final do ano.

Por esta altura do ano, caso não houvesse pandemia, começaria a campanha de angariação de fundos para a Operação Nariz Vermelho em vários espaços públicos. A instituição viu-se obrigada a pensar numa solução alternativa: um desafio através das redes sociais para que as pessoas façam um donativo.

Carlota Mascarenhas, diretora de comunicação e angariação de fundos da Operação Nariz Vermelho, desvenda, em declarações à TSF, como funcionará o desafio "Quanto é que dás?" O objetivo é "brincar um bocadinho com aquela ideia que nos faz viajar à nossa infância", em que os amigos diziam: 'Quanto me dás se eu fizer uma cambalhota no ar?'

Além do propósito de "tentar brincar um bocadinho com recordações de quando éramos pequeninos", a organização quis "criar um desafio para de alguma maneira ajudar a angariar fundos para a Operação Nariz Vermelho".

"O 'quanto me dás'" vai ser traduzido em "donativos dados a quem está a desafiar para a Operação Nariz Vermelho", explica Carlota Mascarenhas.

O desafio não marca uma estreia no mundo digital. A Operação Nariz Vermelho criou um canal de YouTube durante o confinamento, em março, para que os doutores palhaços pudessem chegar diariamente às crianças. "Tivemos de criar formas alternativas de poder concretizar a nossa missão. Foi assim que nasceu a nossa TV ONV, que passou a emitir dois episódios diários protagonizados pelos nossos doutores palhaços através do nosso canal de YouTube, para poder chegar às crianças hospitalizadas, às que estavam confinadas em casa nessa altura, e a crianças de outros hospitais que não visitamos."

Carlota Mascarenhas justifica: "Não tendo uma porta para entrar, fomos procurar uma janela para poder entrar de uma forma criativa."

#QuantoÉQueDás? é o desafio que vai começar a circular nas redes sociais. Está previsto que dure pelo menos até ao final do ano.

* e Catarina Maldonado Vasconcelos

LEIA AQUI TUDO SOBRE O NOVO CORONAVÍRUS

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de