Ordem dos Engenheiros disponível para estudar impacto da redução da velocidade em Lisboa

O bastonário da Ordem dos Engenheiros, Fernando Almeida Santos, revelou à TSF "que as decisões políticas deste cariz devem ser suportadas em dimensões técnicas".

Carlos Moedas pode contar com a Ordem dos Engenheiros para avaliar as restrições ao trânsito aprovadas pela maioria dos vereadores de Lisboa. O bastonário da Ordem dos Engenheiros (OE) admite que lhe dá a sensação que esta "foi uma decisão carecida de fundamentação técnica, e portanto avulsa do ponto de vista técnico, ainda que haja legitimidade política para o fazer".

As dúvidas de Fernando Almeida Santos assentam na evidência de que, "mesmo em termos ambientais, se os carros andam mais devagar, o tempo de poluição aumenta porque os carros passam mais tempo no local".

Assim, "a OE, se solicitada pelo senhor presidente da Câmara Municipal de Lisboa, está disponível para interagir com o município e, do ponto de vista técnico e financeiro, está claramente disponível para o fazer", sublinha.

Por outro lado, "do ponto de vista da OE, não nos parece que haja grandes mais-valias, e nalguns casos até pelo contrário, desta medida de redução de velocidade porque não tem vantagens ambientais e tem desvantagens económicas".

Fernando Almeida Santos dá o exemplo de Espanha, que há uma década reduziu a velocidade nas autoestradas e depois teve de a repor nos 120 km/h.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de