Parque eólico ao largo de Viana completa um ano de atividade com novos projetos à vista
Reportagem TSF

Parque eólico ao largo de Viana completa um ano de atividade com novos projetos à vista

O Windfloat Atlantic, o parque eólico flutuante instalado largo de Viana do Castelo, acaba de completar um ano de operação. Com uma capacidade instalada de 25MW, o projeto atingiu em 12 meses "uma produção total acumulada de 75GWh, o suficiente para abastecer 60.000 pessoas". E, segundo fonte da EDP, que lidera o consórcio Windplus, promotor do parque, "a experiência adquirida permitirá, agora, desenvolver novos projetos dentro e fora de Portugal que conjuguem as preocupações económicas e climáticas".

Recorde-se que recentemente, empresas da área das energias renováveis oceânicas defenderam que Portugal deve ser mais ambicioso na produção de energia eólica offshore, cuja meta nacional está atualmente fixada nos 300 MW até 2030. Na conferência "Energia Renovável Offshore Abre Novos Horizontes", realizada a 23 de Julho em Viana do Castelo, em que participaram três ministros, Ambiente, Economia e Ciência e Tecnologia, investidores e outras entidades ligadas ao sector, afirmaram que o país tem potencial de crescimento e apelaram à abertura de novas concessões para atingir "até 1000 MW".

O projeto eólico WindFloat, instalado há cerca de um ano no mar ao largo de Viana do Castelo, foi apontado como "referência internacional".

É "composto por três turbinas eólicas assentes em plataformas flutuantes ancoradas ao fundo do mar apenas com correntes a 100 metros de profundidade". A estrutura utiliza as maiores turbinas eólicas do mundo instaladas numa superfície flutuante, de 8,4 MW cada.

As plataformas foram construídas pelos dois países da Península Ibérica: duas delas nos estaleiros de Setúbal (Portugal) e a terceira nos estaleiros de Avilés e Fene (Espanha). O projeto pertence à Windplus, que é propriedade conjunta da EDP Renováveis (54,4%), ENGIE (25%), Repsol (19,4%) e Principle Power Inc. (1,2%).

Para apoiar o desenvolvimento da tecnologia pioneira das eólicas offshore, o Banco Europeu de Investimento (BEI) concedeu, em outubro de 2018, um empréstimo de 60 milhões de euros à Windplus.
Além disso, o projeto foi também apoiado com 29,9 milhões de euros do programa da UE NER300 e 6 milhões de euros do Governo de Portugal, através do Fundo de Carbono Português.

A instalação da primeira turbina de WindFloat Atlantic na plataforma flutuante foi realizada em julho de 2019, no porto de Ferrol, em Espanha. E a última em Maio de 2020, tendo o parque entrado em pleno funcionamento em 26 de julho do mesmo ano.

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de