Parque vai ser alvo de obras, mas campistas recusam sair. INATEL avança para tribunal

Fundação aguarda que 47 famílias abandonem o parque de campismo da Costa da Caparica para que comecem as obras de requalificação do espaço.

A Fundação INATEL está a tentar encontrar habitação para algumas das 47 famílias que ainda não abandonaram o parque de campismo da INATEL na Costa da Caparica.

O parque vai para obras. O prazo para os moradores retirarem os equipamentos terminou esta quarta-feira, mas há 47 espaços que continuam por desocupar.

Francisco Madelino, presidente da Fundação INATEL, garantiu à TSF que quando terminar o estado de emergência vai avançar com processos contra quem não sair do parque.

"Nestes 47 casos [de famílias] que deveriam sair no final de novembro e não saíram, há uma responsabilidade pessoal por todo o atraso na tramitação das obras", afirma Francisco Madelino. "A INATEL vai desencadear os mecanismos jurídicos sobre essa responsabilização individual."

"Cada dia de atraso significa um dia de receita a menos [para a INATEL]", frisa.

O presidente do INATEL explica que, entre as 47 famílias que não abandonaram o parque de campismo, a Segurança Social identificou 11 que não têm alternativa onde morar, cinco das quais apresentam carências financeiras. A essas cinco, a INATEL vai dar uma ajuda.

"Nestes cinco casos, estamos a fazer um trabalho de inserção, tentando encontrar habitação, comparticipando de forma transitória, com autarquias (...) e conjuntamente também com o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP)", indica Francisco Madelino.

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de