PJ e polícia brasileira fazem buscas e detenções relacionadas com avião onde seguia João Loureiro

O Governo brasileiro adianta que estão ser cumpridos mandados de busca, apreensão e prisão preventiva em vários estados do país, bem como nas cidades portuguesas do Porto e Braga.

A Polícia Judiciária e a Polícia Federal brasileira têm em curso uma operação de buscas e detenções que visa desmantelar uma organização especializada no tráfico internacional de cocaína e que está relacionada com o caso do avião privado onde seguia João Loureiro.

"Estão sendo cumpridos 43 mandados de busca e apreensão e sete mandados de prisão preventiva nos estados da Baía, São Paulo, Mato Grosso, Rondónia e Pernambuco. Em Portugal, com o acompanhamento de policiais federais, a polícia portuguesa cumpre três mandados de busca e apreensão e dois mandados de prisão preventiva nas cidades do Porto e Braga", afirma o Governo brasileiro em comunicado.

Mais tarde, a Polícia Judiciária revelou que a operação levou à detenção de uma mulher estrangeira, num hotel de luxo em Lisboa. A mulher já tinha um mandado de detenção internacional, emitido pelas autoridades brasileiras.

"No ano passado, no quadro desta operação, foram apreendidos mais de 650 quilos de cocaína que foram detetados na fuselagem de um avião de registo português", pode ler-se no comunicado da PJ.

Estas investigações tiveram início em fevereiro de 2021, "quando um jato executivo Dassault Falcon 900, pertencente a uma empresa portuguesa de táxi aéreo, pousou no aeroporto internacional de Salvador/BA para abastecimento. Após ser inspecionado, foram encontrados cerca de 595 kg de cocaína escondidos na fuselagem da aeronave".

"A partir da apreensão, a Polícia Federal conseguiu identificar a estrutura da organização criminosa atuante nos dois países, composta por fornecedores de cocaína, mecânicos de aviação e auxiliares (responsáveis pela abertura da fuselagem da aeronave para acondicionar o entorpecente), transportadores (responsáveis pelo voo) e doleiros (responsáveis pela movimentação financeira do grupo)", acrescenta a nota.

O antigo presidente do Boavista, João Loureiro, era um dos passageiros que viajava neste avião privado. O avião partiu do Aeroporto de Tires no dia 27 de janeiro de 2021, fez escala em Cabo Verde e aterrou em Salvador da Baía. Depois, seguiu para o destino final, São Paulo. A bordo, seguiam cinco pessoas: três tripulantes, João Loureiro e um cidadão espanhol.

Notícia atualizada às 15h18

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de