Polícia Judiciária vai ter mais 200 inspetores até final de 2022

Diretor nacional da PJ disse que cerca de uma centena de novos inspetores já concluiu a sua formação.

A Polícia Judiciária (PJ) vai contar com cerca de 200 novos inspetores até ao final de 2022, anunciou esta quinta-feira o diretor nacional, Luís Neves, adiantando que mais 70 elementos irão iniciar novo curso de formação dentro de um ano.

Na abertura de um colóquio a propósito do Dia Internacional de Combate à Corrupção, que contou também com as presenças do primeiro-ministro, António Costa; da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem e da procuradora-geral da República, Lucília Gago, o diretor nacional da PJ disse que cerca de uma centena de novos inspetores já concluiu a sua formação e que a instituição estará "mais apta a assumir todas as responsabilidades no combate à corrupção".

"No próximo dia 10 de janeiro, iremos iniciar o 44.º curso de formação para mais 100 novos inspetores. Para todos vós, sangue novo, envio uma mensagem de felicitações por se juntarem a nós. Em finais de 2022 esperamos contar com mais 70 elementos a acrescentar a estes 200, no 45.º curso. Trata-se de um reforço único na PJ", vincou Luís Neves, salientando que a estes elementos se juntarão ainda "no próximo ano mais 65 peritos".

O diretor nacional da PJ destacou também o reforço de formação em áreas relevantes para o combate à corrupção e criminalidade económico-financeira e explicou que "parte substancial dos meios que doravante forem alocados à instituição" serão dirigidos ao combate à corrupção e ao cibercrime.

"Vamos acelerar a formação em direito bancário, contratação pública, branqueamento de capitais, utilização de 'offshores', direito desportivo, evasão fiscal e uso de criptomoedas. Quando falamos de corrupção e criminalidade económica-financeira associada, as vítimas somos todos nós", afirmou.

Luís Neves realçou ainda o "momento único de reforço e apetrechamento digital" da Polícia Judiciária, sem deixar de notar que "o grande obstáculo à celeridade se encontra no 'gap' das perícias tecnológicas", face à necessidade de analisar grandes quantidades de informação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de