Polícias insatisfeitos com impedimento de tirar férias e pedir pré-reforma

O diretor nacional da PSP decretou a suspensão de férias e interrompeu o acesso às pré-reformas.

Os polícias continuam impedidos de tirar férias e pedir a pré-reforma, o que está a gerar insatisfação entre os agentes da PSP.

A Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP) tem recebido inúmeras queixas e pedidos de ajuda por parte dos associados, muitas vezes incluindo pedidos de acompanhamento jurídico.

Paulo Santos, presidente da ASPP, explica à TSF que os agentes que atingem os 60 anos estão frustrados porque estavam já a contar com a pré-reforma.

"Tem-nos chegado quase diariamente um conjunto de profissionais que já estão no limite, que já não aguentam continuar contra a sua vontade", aponta.

Paulo Santos explica que o despacho do diretor nacional da PSP, Magina da Silva, tem levado muitos polícias ao engano porque o problema já existia, mas agora foi disfarçado com a pandemia.

"Os colegas que estão na calha para sair para apresentação estão convencidos que não vão sair por que têm de ficar ao serviço do país para combater uma pandemia. O que não é verdade."

No caso da suspensão de férias, Paulo Santos lembra que é uma medida comum nos últimos anos, por diferentes motivos, e que está a deixar os agentes exaustos.

Ainda não há data para levantar o despacho que suspende as férias e interrompe o acesso às pré-reformas, mas tudo indica, segundo a "ideia transmitida de forma informal" à ASPP, que pode vigorar até ao final do ano.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de