Há um urso-pardo em Portugal. Há 176 anos que a espécie não era vista no país

O animal vive na região fronteiriça do nordeste transmontano.

As autoridades portuguesas confirmaram a existência em Portugal de um urso-pardo, espécie considerada extinta no país, revelou o Serviço Territorial de Meio Ambiente de Zamora.

"A administração regional [de Castela e Leão] alertou para a presença deste urso às autoridades portuguesas, que finalmente confirmaram a sua descoberta", sublinha em comunicado o governo regional de Castela e Leão, vizinha de Portugal.

As autoridades ambientais regionais espanholas informam que, nos últimos dias de abril, verificou-se a existência de estragos num apiário (conjunto de colmeias) na cidade de 'La Tejera', tendo os funcionários do governo regional de Castela e Leão constatado que o incidente foi da responsabilidade de um urso-pardo.

Paralelamente, e dada a proximidade da fronteira portuguesa, a presença do dito urso foi comunicada ao Instituto Nacional de Conservação da Natureza português, para o caso de o animal continuar a sua viagem para o sul, "facto que acabou por acontecer há poucos dias".

"Dá-se a circunstância de ser a primeira vez, nos últimos dois séculos, em que a presença desta espécie no país vizinho é confirmada de maneira confiável", asseguram as autoridades regionais espanholas.

O animal avistado na região de Sanabria "pode pertencer" à subpopulação ocidental da Cantábria, que tem cerca de 280 exemplares e a julgar pelos sinais detetados, pode ser um adulto em dispersão, de acordo com o Serviço Territorial de Meio Ambiente de Zamora.

Estava extinto há mais de um século

O último urso pardo que viveu em Portugal foi morto em 1843 no Gerês, depois de ter existido em todo o país, assegura o livro "Urso Pardo em Portugal - Crónica de uma extinção", de Paulo Caetano e Miguel Brandão Pimenta, publicado em 2017.

Na investigação que deu origem ao livro os autores chegaram a uma notícia da morte do último urso em Portugal em 1843, abatido pela população no Gerês, o que foi uma surpresa. "Os últimos dados que comprovavam o desaparecimento do urso referiam-se a 1650, também no Gerês".

Em declarações à TSF, Paulo Caetano explica que o urso agora avistado em Portugal "será um macho jovem, recém-chegado à idade adulta" e que terá vindo "das Astúrias ou da Cantábria", populações que têm estado em crescimento.

Esta incursão em território luso não quer dizer, no entanto, que o animal se fixe. "Estão à procura de território, sossego, companheira e alimento", pelo que vão caminhando até encontrarem as condições que procuram.

"O facto de um urso pardo ter atravessado a nossa fronteira, não quer dizer que Portugal passa a ter um urso-pardo. Neste momento, temos um animal errante", esclarece.

Segundo os autores, em Espanha, o urso também foi regredindo no território e refugiou-se nas altas montanhas, nas Astúrias, onde também esteve ameaçado, mas as autoridades espanholas adotaram medidas de conservação e os dois grupos populacionais da espécie estabilizaram.

Segundo o 'site' na internet "Portugal num mapa", o urso-pardo é a segunda maior espécie de carnívoro do mundo, a seguir ao urso-polar (Ursus maritimus): um urso-pardo adulto em média mede 1,4 a 2,8 m de comprimento (inclui-se a cauda) quando está sobre as quatro patas e de 0,7 a 1,53 metros de altura até ao ombro, e pesa mais de 200 quilogramas para os machos e mais de 150 quilogramas para as fêmeas.

LER MAIS:

- Pegadas, dejetos e fotografias: as provas de que há um urso pardo em Portugal

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de