Portugal foi o único país da OCDE onde o desempenho dos alunos melhorou de forma significativa

Há, no entanto, dados em que o desempenho do país não é tão positivo. Portugal aparece em terceiro lugar na lista de países com mais falta de recursos humanos no ensino público.

Portugal foi o único país da OCDE onde o desempenho dos alunos melhorou de forma expressiva na leitura, matemática e ciência.

Os dados referem-se a 2018 e abrangem os sistemas educativos dos países que participam nos testes PISA. Na última década, as despesas com os alunos do primário e secundário aumentaram mais de 15% em toda a OCDE, mas isso não se traduziu na melhoria de resultados.

O relatório divulgado esta terça-feira mostra que, entre os 79 sistemas de ensino analisados, apenas sete registaram progressos, entre os quais Portugal é o único membro da OCDE. O PISA considera estes resultados dececionantes.

Há outros dados em que o desempenho do país não é tão positivo. Portugal aparece em terceiro lugar na lista de países com mais falta de recursos humanos no ensino público.

Quase 68% dos diretores das escolas portuguesas que foram ouvidos dizem que têm funcionários a menos. Quando se fala de professores, o número cai para 32%. Em média na OCDE os valores são respetivamente de 33% para os funcionários e de 27% relativamente aos professores.

Outro dado em que o país fica mais abaixo na tabela são os chumbos. Entre os alunos de 15 anos, 26,6% dizem que já ficaram retidos pelo menos um ano. Em 2018, a média na OCDE era de 11,4%.

Entre os países europeus analisados, só a Bélgica, o Luxemburgo e a Espanha apresentam números mais elevados. A condição socioeconómica tem um peso direto no chumbo dos alunos. Portugal é o segundo país da OCDE em que os jovens mais desfavorecidos têm mais probabilidade de ficarem retidos do que os colegas que vivem num contexto económico melhor.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de