Portugal recebeu mais 70 mil doses da vacina contra a Covid-19

O Governo espera receber 79.950 doses em cada semana de janeiro, e alargar a vacinação a utentes de lares e de cuidados continuados.

Portugal já recebeu mais 70 mil doses da vacina da Pfizer, e espera que janeiro seja sinónimo de mais 79.950 vacinas em cada semana. A ministra da Saúde acompanhou o processo de vacinação contra a Covid-19 no Hospital Curry Cabral e no Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

No segundo dia de vacinação aos profissionais de saúde, a governante destacou o "momento simbólico" numa unidade com "um desempenho significativo" no combate à pandemia.

"Desde há longos meses trabalham para que os portugueses tenham os melhores cuidados em ambiente de pandemia. É muito bom partilhar com eles a sua própria vacinação. É um sinal de esperança", reforçou.

Marta Temido adiantou que as novas 70 mil doses permitem o alargamento da vacinação a mais unidades de saúde e aos arquipélagos da Madeira e dos Açores. A governante destaca, ainda assim, a necessidade de manter as regras básicas até que a imunidade de grupo seja alcançada.

"Estes são os primeiros momentos de um processo que não podíamos deixar de partilhar com todos", disse.

A ministra da Saúde garantiu ainda que Portugal recebeu a quantidade de vacinas previstas, apesar de vários países admitirem atrasos na entrega de algumas doses do fármaco.

O Governo tinha previsto receber mais unidades no dia 28 de dezembro, o que aconteceu, mas Marta Temido lembra que este é um "processo complexo". "O que é importante é ter em mente que a capacidade de os países administrarem vacinas depende também da capacidade da indústria farmacêutica", reforça.

Ainda assim, a governante diz que todos estão a trabalhar para que os atrasos não aconteçam.

Portugal estima 79.950 entregas das vacinas em cada uma das quatro semanas de janeiro. "Uma quantidade semelhante à que recebemos, por duas vezes, em dezembro. Aquilo que temos estimado é que as doses possam ser utilizadas para a administração à comunidade, como nas residências para idosos", explicou.

A ministra da Saúde disse ainda que está previsto começar a vacinação nos lares no início de janeiro, mas explicou que nas unidades com surtos ativos isso só acontecerá quando estes estiverem resolvidos.

"Neste momento está a ser concluído o processo de identificação das estruturas residenciais para idosos que são objeto desta administração, sendo certo que há uma circunstância que temos de ter presente, que são as unidades que têm surtos, que não serão alvo de vacinação enquanto o surto se mantiver ativo, por uma questão de segurança."

Foram vacinados 4828 profissionais de saúde no primeiro dia de vacinação, registaram-se poucas reações adversas e apenas ligeiras. Ainda assim, a ministra da saúde lembra que os fármacos não são isentos de risco.

"As reações são sempre monitorizadas, registadas e comunicadas. Faz parte da toma de qualquer medicamento", recorda.

Marta Temido conclui a mensagem aos portugueses com uma palavra de esperança "para conquistar 2021".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de