Portugal tem 70% da população com vacinação completa. Alívio pode vir a ser antecipado

O Governo tinha fixado a meta de 85% da população vacinada até ao final de setembro, mas a marca poderá ser atingida mais cedo, prevê agora a ministra da Saúde, mais otimista quanto à evolução da pandemia em Portugal. Marta Temido já admite que as máscaras poderão deixar de ser requisito, já que "o ar livre e a distância entre as pessoas são barreira suficiente".

Marta Temido anunciou esta quinta-feira que Portugal atingiu a marca dos 70% dos portugueses com vacinação completa. Tendo alcançado esta etapa, o país já pode pensar no levantamento da obrigatoriedade da máscara, que, segundo a governante, é uma decisão da Assembleia da República. "O ar livre e a distância entre as pessoas são barreira suficiente."

"Os portugueses trabalharam" para que haja novidades quanto ao tema, admitiu a ministra da Saúde, em entrevista à SIC.

A governante reconheceu que já "era expectável que durante esta semana" se atingisse a fasquia dos 70% e sublinhou que a confirmação foi dada esta quinta-feira pela equipa coordenadora do plano de vacinação, liderada pelo vice-almirante Gouveia e Melo.

O Governo tinha fixado a meta de 85% da população vacinada até ao final de setembro, mas a marca poderá ser atingida mais cedo, diz agora a ministra da Saúde. "Se for possível avançar para um alívio, fá-lo-emos."

Diante da ameaça ainda presente da variante delta, Marta Temido garante que há "alguma estabilidade nos números", e que Portugal se encontra agora num "planalto" bastante prolongado. "Estamos tranquilos, mas com prudência", assegura.

Marta Temido acrescenta ainda que aguarda a decisão das autoridades sanitárias internacionais para determinar se haverá ou não inoculação com a terceira dose. A ministra da Saúde lembra que, "apesar dos bons resultados", ninguém está protegido até todos estarem protegidos, dando o exemplo dos PALOP, que devem ser auxiliados.

Quanto ao caso da falha de refrigeração do centro de vacinação do Queimódromo do Porto, Temido adiantou que as pessoas vacinadas estão a ser seguidas. Marta Temido referiu que análise de farmacovigilância trará respostas para o que deve ser feito em relação às pessoas que receberam a vacina neste centro do Porto.

Houve uma alteração das temperaturas a que estavam vacinas de duas marcas, pelo que cada fórmula poderá ter uma reação diferente e condições distintas de estabilidade. "Apesar de as condições não terem sido as ideais, podem ainda estar no patamar de segurança", explicou.

Reagindo ainda às queixas de falta de médicos na região Sul, Marta Temido afirmou que há um padrão de concentração de especialistas na região Norte, bem como uma concentração de médicos de família no Norte. A ministra afirma que serão desafiados médicos para terem melhores condições noutros locais e uma carreira diferente. "A tendência de aumento da necessidade de cuidados de saúde não se vai inverter", alertou também a ministra da Saúde.

LEIA TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de