Bombeiros incontactáveis na Serra da Estrela: presidente do SIRESP afasta responsabilidades

Paulo Viegas Nunes assume que propôs uma formação sobre a rede para maio que não se realizou.

O presidente do Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP), o brigadeiro general Paulo Viegas Nunes, rejeitou responsabilidades no caso dos sete bombeiros que ficaram sem comunicações com o posto de comando do incêndio da Serra da Estrela nesta segunda-feira.

"Eu não estava nesse ponto, não consigo antecipar o que é que terá presidido à decisão. Mas o estar contactáveis pode depender de várias situações. Não me compete a mim tomar decisões no terreno, nem como os profissionais devem operar em situações de emergência", disse o presidente do SIRESP em conferência de imprensa.

O SIRESP propôs uma formação sobre a rede de comunicações para os operacionais, mas não foi possível realizá-la. "Foi proposta uma ação de formação e comunicada à comunidade de utilizadores. Admito que a comunidade de utilizadores não teve oportunidade de a frequentar. O tempo também não é muito lato e, entretanto, entramos na época de fogos. Não vamos que não houve formação antes dos fogos, porque existe outro tipo de formação para os profissionais. Mas toda esta rede SIRESP precisa de formação contínua", considera Paulo Viegas Nunes.

E defendeu as comunicações da rede SIRESP: "A rede satisfaz a emergência dentro da emergência. É bom separar os diferentes riscos de emergência. Se estiver em risco a vida humana, se estiver em risco uma ação catastrófica em que se veja que vai haver uma queda de uma árvore sobre uma população e que exige ação, o sistema tem um mecanismo de emergência: as chamadas de emergência."

Quando ativado esse mecanismo, as "chamadas não respeitam as filas de espera", sendo "colocada no topo da lista automaticamente".

"O que acontece, porque pode estar em risco a vida humana, a chamada é automaticamente sinalizada numa central de despacho que monitoriza todas as chamadas dentro de uma área operacional e é tratada com conhecimento de todos os profissionais da zona. Toda a gente ouve a chamada de emergência", explica o Presidente do SIRESP.

Nesta segunda-feira, sete bombeiros da corporação de Aveiro que combatia o fogo na Serra da Estrela ficou sem comunicações, tendo sido localizados algum tempo depois.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de