"Prevêem-se problemas sociais gravíssimos." Rio defende medidas específicas para o Algarve

O presidente do PSD reuniu na Câmara Municipal de Albufeira com as associações empresariais do Algarve. Rui Rio quis conhecer os problemas que estão a atravessar.

Um a um os representantes das associações empresariais foram subindo ao palanque e expondo as suas preocupações. Vitor Neto, presidente da associação empresarial NERA foi um dos que falou e deixou a advertência: "Esta crise não tem consequências só para o Algarve."

Para o antigo secretário de Estado do Turismo do governo de António Guterres, todo o país irá sofrer com a quebra do setor na região, visto que "o turismo representa 14 a 15% do PIB nacional" e nesse número o Algarve contribui com cerca de 40%.

À vez, os empresários lamentaram a falta de apoios imediatos, reafirmaram que no Algarve não deveria ter terminado o lay-off simplificado e pediram medidas de discriminação positiva para a região.

O presidente da Confederação dos Empresários do Algarve (CEAL) teme que o pior esteja para vir. Para as empresas da região, "depois de setembro vai ser o descalabro total", vaticina. E numa crítica ao Governo, afirma que "ajudar é dar a mão a alguém ou por dinheiro em cima da mesa".

"Como ainda não vi nada, é muito difícil acreditar nisso", conclui.

Rui Rio ouviu os lamentos e considera que não há nada melhor do que vir ao local para perceber os problemas. Nas declarações aos jornalistas, o presidente do PSD defendeu medidas específicas para a região.

"Prevê-se problemas sociais gravíssimos mas ainda é possível atenuá-los", considera Rio. Por isso defende que "o Governo tem que encontrar medidas adequadas às circunstâncias".

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de