ProTejo "expectante" com garantias do Governo sobre caudal do Tejo

Em declarações à TSF, Matos Fernandes garantiu que a emergência no rio está resolvida. ProTejo espera um "bom entendimento com Espanha".

O proTejo - Movimento pelo Tejo diz estar expectante com as garantias do ministro do Ambiente e da Ação Climática de que a emergência no caudal do Tejo "está ultrapassada" e que as negociações com Espanha estão encaminhadas.

Em declarações à TSF, o ministro João Matos Fernandes garantiu que a evolução do caudal do Tejo está a ser favorável, sublinhando que no domingo já tinha chegado à quota 114.

À agência Lusa, o porta-voz da proTejo Paulo Constantino disse que, após ouvir as garantias de João Matos Fernandes, o movimento está expectante em relação ao desenvolvimento das negociações com Espanha.

"Toda a boa sorte para que efetivamente o senhor ministro faça uma boa negociação e chegue a um bom entendimento com Espanha", sublinhou.

No entanto, o movimento expressou algumas preocupações e pretensões relativamente ao acordo com Espanha e à Convenção de Albufeira e, ainda, à indemnização a pagar às autarquias afetadas pela barragem de Cedillo (Castelo Branco, Nisa e Vila Velha de Ródão).

"O que o movimento proTejo espera é que relativamente à situação do Alto Tejo, em que foram repostos os níveis da barragem de Cedillo, sejam feitas as compensações necessárias dos impactos ambientais que existiram e também as indemnizações em termos dos impactos económicos e sociais", defendeu.

Paulo Constantino referiu que o proTejo pretende que a revisão da Convenção de Albufeira inclua uma revisão dos caudais em vigor e dos que estão previstos.

"O escoamento médio anual dos últimos oito anos foi muito superior àquilo que é o caudal que está na Convenção de Albufeira. É mais do dobro desse caudal. Existem condições para existir um maior caudal nessa convenção e esse caudal seja distribuído ao longo do ano de uma forma mais regular", sublinhou.

O porta-voz do movimento considerou ainda que o acordo com Espanha será possível "desde que haja boa vontade entre as partes" e defendeu a necessidade de existir uma gestão partilhada das reservas de água.

João Matos Fernandes adiantou à TSF que o Governo está a trabalhar com as autarquias afetadas pela barragem de Cedillo para que os prejuízos causados nas estruturas locais sejam "rapidamente repostos ou financiados pela Agência Portuguesa do Ambiente".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de