Retirar carne de vaca das cantinas em Coimbra é "enorme irresponsabilidade"

Produtores alertam para o impacto na economia caso a medida seja replicada noutros pontos do país.

Os produtores de leite e carne acusam a Universidade de Coimbra de "irresponsabilidade" na decisão de acabar com a carne de vaca nas cantinas universitárias. A medida só avança em janeiro, mas a classificação da mesma por parte do presidente da Leicar - Associação de Produtores de Leite e Carne, Rui Sousa fica desde já conhecida.

"É uma intervenção de uma enorme irresponsabilidade. Primeiro, relativamente à pegada ecológico e ao efeito do carbono vindo dos animais, é algo que ainda está em estudo. Depois, o efeito negativo da produção da carne vem essencialmente do custo de transporte da carne, que vem essencialmente da América do Sul", explica o responsável.

Tomada a decisão em Coimbra, Rui Sousa teme agora que outras instituições do país possam seguir o exemplo, argumentando que essa realidade possa trazer problemas para a economia.

"A agricultura e o setor agropecuário têm um peso muito relevante na nossa economia. Não temos um setor primário forte, como sabemos. Se este tipo de agentes, que têm alguma responsabilidade na sociedade, tem este tipo de intervenções, é muito mau", classifica Rui Sousa, criticando a forma como a decisão foi tomada.

O presidente da Leicar considera que foram tomadas decisões "sem base em conhecimento científico - naquela que é a nossa realidade - e põem em causa milhares de famílias".

A Universidade de Coimbra (UC) vai eliminar o consumo de carne de vaca nas cantinas universitárias a partir de janeiro de 2020, anunciou esta terça-feira o reitor, Amílcar Falcão.

Este será o primeiro passo para, até 2030, tornar a UC "a primeira universidade portuguesa neutra em carbono", disse o reitor na cerimónia de receção aos estudantes.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de