Sensores inteligentes vão controlar o trânsito de Lisboa

EMEL promete que solução vai "otimizar os fluxos de trânsito automóvel". Mudança começou na Almirante Reis.

O trânsito em Lisboa vai mudar para melhor. A promessa é da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa - EMEL, que anunciou esta sexta-feira o início do que diz ser a "modernização da rede semafórica" da capital.

O sistema vai passar a ser comandado por uma rede de sensores inteligentes "que permitem otimizar os fluxos de trânsito automóvel". No fundo, são uma série de computadores que permitem gerir as intersecções de estradas que se apoiam em "radares, câmaras e espiras de pavimento".

À TSF, o presidente do Conselho de Administração da EMEL, Luís Natal Marques, explica que a mudança começou pela Avenida Almirante Reis onde "já está tudo alterado".

"Era um sistema que datava dos anos 1970 e foi finalmente alterado no sentido de permitir que as pessoas se desloquem no seu automóvel com uma fluidez que não os obrigue a estar parados numa intersecção quando não existem veículos a cruzar a avenida", exemplifica o responsável.

A capacidade de antecipar fluxos de trânsito quando há grandes eventos ou acidentes é a grande vantagem do sistema, que se torna mais flexível. No caso de um transporte público se aproximar de um semáforo, o objetivo é que seja criada uma "situação privilegiada, abrindo o sinal para que ele passe", fomentando também o uso dos transportes coletivos.

Em caso de acidente, exemplifica Luís Natal Marques, "o sistema permite que, a montante, os carros se desviem para percursos alternativos". Veículos de socorro como ambulâncias ou bombeiros que assinalem marchas de emergência vão também ser beneficiados.

A implementação que teve início na Avenida Almirante Reis deve agora expandir-se, prevendo-se que toda a cidade de Lisboa esteja abrangida em maio do próximo ano.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de