Serviço de assistência na Saúde. Quase 40 mil novos titulares da ADSE apenas em 2021

Trata-se de trabalhadores do Estado com contrato individual. Maria Manuela Faria afirma que "é a prova de que havia de facto uma sensação de injustiça relativamente à ADSE".

Apenas nos primeiros dois meses deste ano, quase 40 mil trabalhadores do Estado com contrato individual de trabalho pediram para ser beneficiários do serviço de assistência na Saúde.

A presidente do Conselho Diretivo da ADSE, Maria Manuela Faria, disse esta terça-feira, no parlamento, que os números são uma prova da sustentabilidade do serviço. "Já temos 39.365 novos titulares com uma média de idades de 39 anos e 12.128 familiares que acrescem a estes titulares", afirma.

Maria Manuela Faria reforça que apesar de "apenas os titulares contribuírem os seus descontos", a ADSE já tem 51.493 novos beneficiários. "É a prova de que havia de facto uma sensação de injustiça relativamente à ADSE por parte dos trabalhadores com contrato individual de trabalho", admite.

A maior parte das novas adesões vem de trabalhadores das universidades e dos diversos serviços de saúde.

De acordo com a presidente do Conselho Diretivo da ADSE, 95% são da área da saúde e logo a seguir surgem as universidades, "o que quer dizer que se trata de duas entidades que não suscitaram quaisquer dúvidas relativamente aos requisitos que estavam colocados no diploma e portanto essas inscrições foram de facto asseguradas".

De fora, vão continuar os trabalhadores de hospitais públicos e empresas municipais que tenham gestão privada. A presidente do Conselho Diretivo da ADSE, Maria Manuela Faria, lembrou aos deputados que esse critério foi definido pelo Governo e não compete ao Conselho Diretivo.

Relativamente aos hospitais de gestão privada, Maria Manuela Faria adianta que "deixando de o ser, obviamente que os trabalhadores que passarem a ser trabalhadores em funções públicas terão todo o direito de acesso à ADSE e serão contemplados".

O mesmo se aplica às empresas municipais que "se eventualmente a sua situação vier a ser reformulada, pois com certeza que sim, mas nos critérios que foram estabelecidos pelo diploma do Governo, efetivamente sendo de gestão privada não cabem no âmbito do alargamento".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de