Sindicato dos Enfermeiros prefere salários melhores a prémios de desempenho

O sindicato aponta às possíveis discriminações entre os profissionais.

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) afirmou hoje preferir melhores salários a prémios para os profissionais envolvidos no combate à pandemia de Covid-19, que afirma poderem criar "profundas discriminações".

Num comunicado divulgado esta sexta-feira a propósito dos prémios de desempenho para profissionais que trabalharam no combate à Covid-19, o sindicato afirma que, "para além do caráter único e transitório" dos prémios, estes podem "potenciar profundas discriminações entre os profissionais".

"A escolha de quem esteve ou não no combate pode correr o risco de ficar dependente do livre arbítrio das administrações, do Ministério da Saúde e do Ministério das Finanças", considera o SEP.

Para o sindicato, "a compensação do risco e da penosidade" tem que ser feita "pela valorização salarial e pela alteração dos critérios para a aposentação".

Os deputados aprovaram no passado dia 1, por unanimidade, uma proposta do PSD que atribui um prémio de desempenho equivalente a 50% da remuneração aos trabalhadores do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e majoração das férias, no âmbito do Orçamento Suplementar.

Trata-se de um prémio único para aqueles que" na vigência do estado de emergência e suas renovações, exercessem funções em regime de trabalho subordinado no SNS e tenham praticado, nesse período, de forma continuada e relevante, atos diretamente relacionados com a pessoa de suspeitos e de doentes infetados por Covid-19".

O SEP assinala que a "penosidade e risco" das funções é agravada pela "carência estrutural de enfermeiros" e que são "transversais a todos os contextos de trabalho" no setor.

Portugal contabiliza pelo menos 1587 mortos associados à Covid-19 em 42.782 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de