Sociedade de Gestão de Saúde pede abertura generalizada de inscrição para vacina

O presidente da SPGS explica à TSF que na origem deste apelo está a necessidade de travar a variante Delta e de vacinar o mais rapidamente possível os mais jovens.

A Sociedade Portuguesa de Gestão de Saúde (SPGS) apelou, esta segunda-feira, à abertura imediata da possibilidade generalizada de inscrição para a vacina contra a Covid-19, lembrando que os mais novos são os que têm maiores possibilidades de contágio.

Em comunicado, a SPGS sublinha a urgência de agilizar mais a vacinação e recorda que, no Reino Unido, onde a taxa de vacinação já é muito avançada, "a variante Delta tem maior capacidade de produzir doença que as variantes anteriores, é muito mais transmissível".

Apesar de insistir que "as vacinas continuam a proteger de doença grave", a SPGS lembra que são "progressivamente menos eficazes ao longo do tempo" e insiste que as faixas etárias mais baixas são as que apresentam maiores possibilidades de contágio e as que "terão maior relutância a serem vacinados".

Considera que Portugal deve colocar em prática o certificado digital para permitir a circulação interna no país, alegando que "a disseminação da variante delta para norte e todo o país será relativamente rápida".

A SPGS defende também que o controlo dos aeroportos deve ser muito mais rígido, por se estar perante "variantes mais complexas como era de esperar neste tipo de vírus", e que devem ser testados todos os passageiros que venham de países com índices relativamente elevados de Covid-19 e instaurar "quarentenas rigorosas" para quem for positivo.

"O controlo da área metropolitana de Lisboa deve ser mais restrito e prolongado para se tentar evitar ao máximo a disseminação do vírus", escreve a SPGS, para quem as medidas até agora impostas nesta área têm sido "quase irrisórias" e que "poucos resultados irão trazer por serem extremamente suaves e sem um contexto agressivo".

"Também poderemos estar neste momento a voltar a colocar em causa a reposição da normalidade no Serviço Nacional de Saúde para os doentes não Covid", alerta.

A sociedade apela ainda a uma "política de testes inteligente, especialmente na Região de Lisboa e Vale do Tejo", com o isolamento rigoroso dos casos positivos para que não se recue na economia e na saúde.

Considera também essencial "modificar por antecipação o quadro do governo que assume a evolução da pandemia", de acordo com sugestões da Ordem dos Médicos e do Centro Europeu para a Prevenção e Controlo da Doença (ECDPC).

Na mesma nota, a SPGS apela ao planeamento atempado da vacinação dos menores de 18 anos "de acordo com as informações de outros países e da Organização Mundial de Saúde".

Variante Delta com maior transmissibilidade. Objetivo é "aliciar os jovens a ser vacinados o mais cedo possível"

Em declarações à TSF, o presidente da SPGS, Miguel Sousa Neves, explica que a necessidade de travar a variante delta e de vacinar o mais rapidamente possível os mais jovens está na origem deste apelo.

"O que se nota é que a variante Delta tem uma transmissibilidade muito grande. Notou-se no Reino Unido que (...) tem uma possibilidade maior de doença", refere.

O objetivo é "tentar fazer que os mais jovens, que são os que contagiam e transmitem mais, sejam aliciados a ser vacinados o mais cedo possível. Quanto mais cedo abrirmos o autoagendamento, melhor será".

Miguel Sousa Neves defende ainda medidas mais restritivas, sobretudo para a Área Metropolitana de Lisboa (AML), para travar a disseminação do vírus.

"As medidas de contenção na AML são mínimas e irrisórias, não funcionam. Sabendo que não funcionam, o que vai acontecer é que isto vai rapidamente dominar o país", afirma. "O turismo não só o internacional, mas também o local, poderá ser atingido agora que o verão está prestes a começar", acrescenta.

Miguel Sousa Neves diz que "o que é preciso é que reforcem os meios de testagem e que sejam extremamente rigorosos nas quarentenas". "Não digo travar no sentido de que não passe para além dessa área, o que é praticamente impossível, mas que, pelo menos, atrase essa transmissibilidade", esclarece.

O presidente da SPGS considera ainda que o mapa usado pelo Governo para avaliar a evolução da pandemia está desatualizado e deve ser mudado com urgência.

"O mapa utilizado pelo Governo foi bastante útil e foi uma medida correta, sensata, do Governo ao apresentar o mapa ao país, para que todos saibamos onde estamos. Mas esse mapa já está desvirtualizado da realidade e o que vai acontecer é que, se o mapa não é atualizado rapidamente, o que se vai pensar é que o mapa depois vai ser atualizado em função das benesses a favor da população da AML para que não pareça que isto seja tão mau", refere.

Uma fonte da 'task force' nacional de vacinação contra a Covid-19 disse à agência Lusa que a vacinação da população entre os 20 e os 29 anos deverá ser aberta "a partir de meados de julho".

A disponibilização de vacinas a essa faixa etária em julho estava prevista "no âmbito do objetivo de ter 70% da população com pelo menos uma dose administrada no início de agosto", referiu a mesma fonte.

O portal destinado ao autoagendamento, que entrou em funcionamento em 23 de abril, contempla a partir de hoje as pessoas acima dos 35 anos, depois de ter sido aberto para maiores de 40, 43, 45, 50, 55, 60 e 65 anos.

De acordo com as últimas informações divulgadas pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), a prevalência da variante delta do coronavírus, associada à Índia, é superior a 60% na região de Lisboa e Vale do Tejo.

O estudo sobre a diversidade genética do SARS-CoV-2 em Portugal do INSA indica ainda que na região Norte a prevalência desta variante do SARS-CoV-2 "é ainda inferior a 15%".

O instituto relembra que "se estima que a variante Delta tenha um grau de transmissibilidade cerca de 60% superior à variante Alfa.

Em Portugal, mais de 4,3 milhões de pessoas em Portugal já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19, o equivalente a 42% da população, e quase 2,6 milhões (25%) têm a vacinação completa, segundo dados avançados na passada terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 3.862.364 mortos no mundo, resultantes de mais de 178,1 milhões de casos de infeção.

Em Portugal, morreram 17.065 pessoas dos 865.050 casos de infeção confirmados.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de