Surto em hostel pode ter feito a freguesia de Santa Maria Maior ultrapassar a linha vermelha

O autarca Miguel Coelho assegura que os dados que tem não apontam para um agravamento da situação na freguesia.

O presidente da Junta de Santa Maria Maior não compreende a razão pela qual a freguesia surge agora como uma das freguesias de Lisboa com mais casos de Covid-19 por 100 mil habitantes, mas admite que esse seja o resultado de um surto num hostel.

Miguel Coelho assegura que os dados que tem não apontam para um agravamento da situação na freguesia e estranha que Santa Maria Maior surja agora a vermelho no mapa das freguesias com mais casos de Covid-19.

"Esta é uma freguesia com poucos eleitores, portanto, qualquer aumento de dois ou três casos tem significado nos índices de referência", admite, sublinhando, no entanto, que o registo do número semanal dos números de infetados na freguesia não aponta para um aumento de casos, bem pelo contrário.

"Na sexta-feira, nós registávamos, em relação à semana anterior, mais 10 casos, em linha decrescente com os resultados das semanas anteriores", revela o autarca.

Assim sendo, a hipótese admitida por Miguel Coelho está relacionada com um surto num hostel da freguesia. "O número que terá valido nós estarmos na cor vermelha foi uma situação de alojamento num hostel de um conjunto de cidadãos não nacionais infetados com Covid-19 e como o hostel estava colocado na nossa freguesia foi automaticamente atribuído à freguesia esse incremento."

"Não tenho a perceção de que nós estejamos aqui no território numa situação de um quadro clínico infeccioso em crescendo", revela o presidente da junta, que adianta que os cidadãos infetados no hostel já nem estão na freguesia. Foram distribuídos por outras estruturas que garantiam melhores condições.

Já questionado sobre os casos de casas pequenas onde vivem vários cidadãos estrangeiros como acontece na Mouraria, por exemplo, Miguel Coelho admite que esse é um problema que não é positivo em tempo de pandemia. "É evidente que as condições de habitabilidade neste território não são as mais desejáveis do ponto de vista de saúde pública, são casas pequenas com famílias numerosas, sejam cidadãos portugueses, sejam cidadãos estrangeiros."

O autarca defende que estas situações suscitam uma forte reflexão sobre a habitação em Lisboa, mas garante que Santa Maria Maior esteve sempre abaixo da média de incidência do número de casos de Covid-19 e fala numa situação de "alarme artificial".

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de