Suspensos dois médicos e uma enfermeira que alegavam tratar Covid-19 com ozonoterapia

Caso aconteceu em clínicas de Lisboa e do Funchal. Investigação apreende "um vasto acervo documental" com relevância fiscal e médica.

Depois das detenções do final da semana passada, o Tribunal Central de Instrução Criminal suspendeu de funções dois médicos e uma enfermeira. Em causa os crimes de burla, falsificação de documentos e propagação de doença por causa de tratamentos por ozonoterapia.

A operação policial que começou na quinta-feira levou à detenção de cinco pessoas.

Terminados os interrogatórios, dois médicos e a enfermeira que geria e fazia os supostos tratamentos foram agora suspensos de funções e obrigados a pagar uma caução de 10 mil euros.

Em comunicado, o Ministério Público acrescenta que há ainda "um enfermeiro que, na prática, exercia funções de gestão, efetuava tratamentos e fazia-se passar por médico", a quem foi aplicada a medida de coação de obrigação de permanência na habitação.

Finalmente, "a uma médica que funcionava como testa de ferro dos coarguidos enfermeiros e tinha outra atividade profissional", aplicam-se as medidas de coação de prestação de caução no valor de 5 mil euros".

As diligências policiais "permitiram a apreensão de um vasto acervo documental, na sua grande maioria com relevância fiscal e médica, bem como de cerca de 10 mil euros".

Noutro comunicado divulgado há dias o Ministério Público falava num esquema que levou doentes com Covid-19 ou pessoas com maior risco de complicações se fossem contagiadas a fazerem tratamentos por ozono que não serviam para nada, em pleno estado de emergência.

Os tratamentos de ozonoterapia eram efetuados numa rede de clínicas em Lisboa e no Funchal.

Em causa, ainda, alegadas consultas médicas feitas por um enfermeiro que garantia que a terapia era plenamente eficaz contra a Covid-19.

"Múltiplas" pessoas fisicamente fragilizadas, doentes ou com medo da Covid-19, acabaram por sair de casa, em pleno estado de emergência, com riscos para a própria saúde.

O tratamento por ozono não é comparticipado pela ADSE nem por outros subsistemas de saúde. Contudo, com a ajuda de dois médicos eram emitidos documentos que simulavam outros atos médicos.

Num comunicado publicado na semana passada no início da operação, a PJ informava que os dois homens e três mulheres detidos tinham entre os 32 e os 62 anos.

A ozonoterapia é uma prática não convencional que consiste na administração de ozono para tratar patologias com origem inflamatória, infecciosa ou isquémica, numa técnica não reconhecida pelo sistema de saúde tradicional.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de