"Temos que calcar noutros 'botanitos' para sintonizar." Mudanças na TDT chegam ao Sul do país

As mudanças nas frequências da Televisão Digital Terrestre já começaram no Sul do País. A população mais idosa recorre aos mais novos para lhes sintonizarem os televisores.

À porta do mercado, o presidente da Junta de Freguesia de S. Brás de Alportel encontra duas idosas. João Rosa quer saber se está tudo bem com as televisões lá de casa. "Foi lá alguém mudar os canais de televisão?", pergunta. "Não foi lá ninguém", responde a idosa, que garante estar a ver bem todos os canais.

A pergunta do autarca é legítima, depois da Anacom - Autoridade Nacional de Comunicações ter anunciado que iria alterar as frequências da frequências da Televisão Digital Terrestre (TDT) já a partir deste mês, começando pelo sul do país. A vizinha que acompanha esta idosa, Carminha Martins, conta que num determinado dia ligou o televisor e o écrã estava todo negro, com a frase "sem sinal". Foi a filha que a ajudou a resolver o problema.

"A minha filha foi lá com o comando e estrebuchou, estrebuchou ,e pô-la boa", afirma. "Onde a gente calcava nuns 'botanitos', agora tem que ser noutros", explica. Os "botanitos" do comando de televisão conseguiram sintonizar os canais nas novas frequências.

A maior parte da população que tem os canais por Televisão Digital Terrestre é idosa, grande parte vive na serra e precisa de ajuda até nestes gestos simples. Muitos vivem isolados e, por isso, João Rosa fez previamente alguns alertas. Desloquei-me à serra e fiz uma sessão de esclarecimento alertando para a eventualidade de algumas burlas." conta.

A população recebeu uma carta da Anacom a avisar que a mudança seria efetuada e com um número de telefone para ligar em caso de dúvida.

Artemísia não viu necessidade de chamar nenhum técnico. Foi a neta quem sintonizou os novos canais. Só não percebe o porquê da alteração. "Vejo o mesmo do que via antes. Qual é a diferença que isto faz?", questiona.

As frequências de TDT mudam para acomodar o 5G, a 5.ª geração de rede móvel, alterações difíceis de explicar a Artemísia, que nem sequer tem telemóvel.

Outras Notícias

Patrocinado

Apoio de

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de