Trabalhadores da construção civil na Azambuja testados até ao final da semana

Já foram colhidas 945 amostras esta semana, mas o plano do INEM vai estender-se a mais trabalhadores até ao fim desta semana.

O INEM tem em curso um programa de testagem em empresas da construção civil, nomeadamente na região da Azambuja, mas também na área mais vasta da Grande Lisboa. O secretário de Estado da Saúde garantiu esta terça-feira que os resultados das análises deverão ser conhecidos até ao final da semana.

"Durante o dia de ontem foram colhidas 945 amostras em empresas", avançou António Lacerda Sales.

Luís Meira, presidente do Conselho Diretivo do INEM, também salientou que o INEM está a "um esforço grande para garantir o maior número de testes possível" nestas empresas. Luís Meira agradeceu a disponibilidade demonstrada no sentido de colaborar com este processo e elogiou todos os profissionais que têm garantido esta testagem.

Graça Freitas "admitiu que o reforço da testagem em Lisboa pode estar ligada ao aumento expressivo nesta região do país (mas apenas cerca de 4% das análises nestes locais receberam resultado positivo). A diretora-geral da saúde assinala como um sinal positivo o facto de o crescimento de contágios não ter provocado um aumento dos casos mais graves. "Não temos tido reflexo nos óbitos nem internamentos nos cuidados intensivos. A situação está a ser acompanhada." Graça Freitas analisou que está a ser seguida a estratégia de monitorizar e limitar focos e cadeias de transmissão na zona da Grande Lisboa. "Esperamos ter resultados dentro de dias", referiu também a diretora-geral da saúde.

Graça Freitas aproveitou para explicar que, na região Norte, foram testadas mais pessoas há algumas semanas. "A curva no Norte foi mais precoce." Agora esta situação verifica-se em Lisboa. "Se testamos mais, detetamos mais casos."

O secretário de Estado da Saúde realçou que "estamos a testar mais" e que o rastreio da infeção na Grande Lisboa está a ser intensificado em zonas circunscritas de contactos próximos de pessoas já infetadas. A monitorização ao domicílio também tem sido uma das medidas em curso. Este conjunto de iniciativas só verá resultados dentro de duas semanas, lembrou ainda Lacerda Sales.

Onde há ainda transmissão comunitária?

Graça Freitas referiu que, quanto às características da transmissão, a situação geográfica é a seguinte: a região do Norte, apesar de ter uma pequena incidência de casos, ainda se encontra em transmissão comunitária; a região de Lisboa e Vale do Tejo tem transmissão comunitária ativa, apesar de conter também pequenos focos de infeção.

Já o Alentejo e o Algarve têm pequenos focos, e Madeira e Açores têm neste momento transmissão esporádica.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de