Trabalhadores das instituições de solidariedade em luta por melhores salários

A greve é de 24 horas e a manifestação decorre no Porto, entre a Avenida dos Aliados e a Rua da Reboleira, onde está situada a sede da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Social.

Os trabalhadores das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) vão estar esta sexta-feira em greve e manifestar-se por salários justos e dignos, melhores condições de trabalho e o cumprimento dos direitos laborais.

De acordo com uma nota da Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, a greve é de 24 horas e a manifestação decorre no Porto, a partir das 15h00, entre a Avenida dos Aliados e a Rua da Reboleira, onde está situada a sede da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade Social (CNIS).

"A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais (FNSTFPS), promotora desta jornada de luta, considera que os trabalhadores das IPSS não podem continuar a ser sujeitos à contínua desvalorização do seu trabalho e das suas profissões, a uma política de baixos salários, que os encaminha para a pobreza, e ao atropelo aos seus direitos laborais", refere a estrutura sindical.

Salienta que enquanto as IPSS tiveram, entre 2019 e 2021, aumentos de 11% nos apoios financeiros por parte do Estado, "as Instituições estabelecem aumentos dos salários ínfimos, com efeitos só a partir de julho".

"Nas IPSS, a maioria dos trabalhadores teve um aumento salarial na ordem dos 0,6%, o que representa uma nova redução do valor real dos vencimentos dos trabalhadores", refere o sindicato.

Acrescenta ainda que, perante a "política de degradação sucessiva dos salários e de empobrecimento", os trabalhadores das IPSS só tinham como resposta avançar para "a luta para obrigar as entidades patronais a negociarem salários dignos, respeito pelos direitos laborais e melhores condições de trabalho".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de