Tráfego nas autoestradas cai para quase metade no 2.º trimestre

Associação Portuguesa das Sociedades Concessionárias de Autoestradas ou Pontes com Portagens às "restrições impostas à circulação dos portugueses".

A rede da Associação Portuguesa das Sociedades Concessionárias de Autoestradas ou Pontes com Portagens (APCAP) registou de abril a junho "o pior trimestre de circulação e tráfego médio desde que há registos", recuando 46% devido ao confinamento.

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, a APCAP - cuja rede dos associados inclui autoestradas e outras vias principais concessionadas no continente, Madeira e Açores - atribui esta queda para quase metade do tráfego médio diário no segundo trimestre de 2020, face ao período homólogo de 2019, às "restrições impostas à circulação dos portugueses não só no período de confinamento, como em vários fins de semana importantes como foi o do período pascal", devido à pandemia de Covid-19.

No segundo trimestre, o número médio de veículos registado na rede foi de 8800 veículos/dia, o que contrasta com os 16 300 verificados em 2019, o "pior registo" desde que há estatísticas da APCAP deste indicador, ou seja, desde 2006.

Por regiões, as maiores quedas verificaram-se em dois extremos do país: o interior norte (A24) com menos 53%, e a Via do Infante (A22), esta última com uma quebra de 65%, "reflexo também da diminuição de turistas".

Apesar da redução global de tráfego e receitas, a APCAP diz que os seus associados, responsáveis por um total de 3580 quilómetros, "mantiveram sempre em funcionamento pleno os sistemas de vigilância, patrulhamento e assistência 24 horas aos utentes, bem como os investimentos na rede, tendo reforçado os meios de prevenção e desinfeção das estruturas de maior contacto físico de clientes e funcionários".

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 736 mil mortos e infetou mais de 20,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal morreram 1761 pessoas das 52 945 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de