Um museu vivo. Da lota à lata, a história da conserveira Pinhais em tempo real

A centenária conserveira Pinhais, que desde 1920 mantém o método de produção artesanal, inaugura o "Conservas Pinhais Factory Tour". Um museu onde podemos seguir todo o processo de produção.

O investimento foi de 3 milhões de euros. Desde que sai do mar até chegar ao mercado numa lata de conservas, a sardinha da Pinhais cumpre 12 passos, etapas que se mantêm inalteradas desde 1920.

Para mostrar e perpetuar a história, a conserveira criou um museu. Patrícia Sousa é a coordenadora do Museu vivo Conservas Pinhais Factory Tour. "É um museu vivo porque vão ver 146 pessoas a trabalhar, é uma fábrica em operação e vão ver in loco todas as fases do processo de produção. Também vamos poder por as mãos na massa, mexer na areia, cheirar os ingredientes que compõem as nossas receitas e no final além de provar podem também embrulhar a sua própria lata. É vivo porque vemos o que está a ser feito e porque nós próprios podemos fazer parte deste processo".

A viagem pela história desta conserveira começa no exterior, através da entrada oficial da fábrica. No foyer vemos fotografias dos quatro fundadores da Pinhais, que abriu portas a 23 de outubro de 1920. Ainda nesta primeira sala temos uma mesa de areia, "que representa o mar, a praia, a ligação aos pescadores. Temos aqui imagens dos barcos e pescadores de antigamente. A lota fica a cerca de 1 km daqui e durante o período da compra de peixe temos duas funcionárias que estão lá a escolher o melhor peixe. Antigamente eram as gaivotas que anunciavam os barcos, depois as máquinas de vapor das várias conserveiras emitiam um som para chamar as senhoras... Esta industria até nisto é pioneira, foi a primeira a dar em Portugal um contrato de trabalho às mulheres", explica Patrícia Sousa.

A visita continua na área de produção, vemos dezenas de mulheres sentadas, lado a lado, que desempenham diferentes funções: com uma tesoura cortam o rabo e a cabeça das sardinhas, cortam legumes, verificam o conteúdo das conservas... Todos os ingredientes são cortados no próprio dia.

A Pinhais produz entre 25 a 30 mil latas de conserva por dia, Patrícia Sousa, diretora de marketing da conserveira, explica que se o processo fosse industrializado teria capacidade para produzir um milhão por dia.

O percurso pelo museu vivo Conservas Pinhais Factory Tour termina com o visitante a fazer o empapelamento da sua própria conserva, num papel que pode ser personalizado.

A Pinhais produz de segunda a sexta- feira, mas ao fim de semana também é possível visitar o museu. Ao sábado e ao domingo, os visitantes assumem os lugares dos funcionários e podem realizar cada uma das tarefas do processo de produção. A visita dura cerca de uma hora e termina com uma degustação de conservas Pinhais e Nuri (as duas marcas da conserveira).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de