Urgências de ginecologia e obstetrícia de Braga e Portimão já reabriram

Em declarações à TSF, a administração do hospital de Portimão não garante que consiga manter aberta a maternidade durante todo o verão.

Depois de terem sofrido constrangimentos ou encerramentos, as urgências de ginecologia e obstetrícia de Braga e Portimão reabriram esta manhã, confirmou a TSF junto da administração destes hospitais.

Por impossibilidade de se completarem as escalas de trabalho necessárias, as urgências de ginecologia e obstetrícia de Braga estão encerradas desde as 08h00 de domingo e reabrem às 08h00 desta segunda-feira.

No Algarve, o centro hospitalar e universitário também continua a registar dificuldades em assegurar as escalas de médicos, o que levou a unidade de Portimão a encerrar as urgências de ginecologia e obstetrícia até às 09h00 desta segunda-feira.

A administração não tem garantia de que consiga manter aberta a maternidade de Portimão durante todos os dias de verão. À TSF, o diretor clínico do Centro Hospitalar Universitário do Algarve confirmou que a maternidade reabriu esta segunda-feira.

"Com uma escala a começar às 08h00 da manhã, está totalmente preenchida para todo o mês. A escala de obstetrícia não tem problemas relevantes, nós temos essas escalas garantidas, à partida, para o verão. As escalas de pediatria são mais problemáticas e isso foi o que nos fez fechar a maternidade em Portimão e não temos garantia que consigamos manter as escalas com o número de elementos que gostaríamos. Isso fará com que tenhamos que gerir os pediatras e tentando preservar sempre o funcionamento das maternidades de Faro e de Portimão", explicou.

O problema é a falta de pediatras. Horácio Guerreiro afirma que, em muitos momentos, terão que retirar o pediatra de serviço na urgência geral e ter o apoio de outros serviços para manter tudo aberto.

"Poderá não haver pediatras escalados para a urgência externa durante alguns períodos. Esta semana isso já acontece, mas como digo está a ser minorado o seu impacto com o funcionamento do serviço com alargamento do apoio, quer ao internamento, quer à consulta externa. Em julho e agosto, não posso garantir que não haja uma situação inultrapassável e que nos obrigue, eventualmente, a voltar a fechar a maternidade", acrescenta.

O Hospital de Santarém teve limitações no bloco de partos e cirurgia traumatológica no sábado e domingo, por falta de anestesistas, o que obrigou ao reencaminhamento de doentes urgentes para outros hospitais da rede.

As urgências de ginecologia e de obstetrícia do Hospital de Setúbal estiveram encerradas entre as 09h00 de sexta-feira e as 09h00 de domingo.

Também durante o fim de semana, entre as 19h30 de sábado e as 08h00 de domingo, a Maternidade Alfredo da Costa (MAC), esteve sem receber grávidas transferidas pelo Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU), apesar de ter mantido as urgências a funcionar normalmente.

No último balanço, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo indicou que os serviços de ginecologia e obstetrícia da região de Lisboa estão a funcionar dentro da normalidade, mas alertou para a possibilidade de existirem limitações em algumas unidades.

Nos últimos dias, vários serviços de urgência de obstetrícia e ginecologia e bloco de partos de vários pontos do país tiveram de encerrar por determinados períodos ou funcionaram com limitações, devido à dificuldade dos hospitais em completarem as escalas de serviço de médicos especialistas.

Para dar uma resposta a esta situação a ministra da Saúde criou na semana passada uma comissão de acompanhamento constituída por seis elementos.

* Notícia atualizada às 09h30

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de